Produção de vinho: entenda como funciona

Com o passar das eras na cultura da apreciação e cultivo dos vinhos, muitas etapas do processo de fabricação sofreram diversas alterações. Ainda assim é possível observar que de modo geral, alguns passos continuam cruciais para a confecção da bebida que segue a populariza-se ao longo dos séculos por todo mundo. São estes passos que apresentaremos aqui para que possamos mergulhar mais na história e na construção dos vinhos.

Conforme existem diferenças específicas de cada vinho a ser produzido, desde um distinto Rosé ao vinho Tinto de verano, revelam-se também as necessidades individuais na elaboração. As etapas que precisam ser observadas de modo geral, são o engarrafamento, a fermentação da bebida, o seu estoque e a plantação das uvas, que mudam de acordo com o resultado que desejamos, seja para um vinho tinto, branco, rosé e outras tantas variações apresentadas ao redor do planeta.

Cada um destes momentos, desde a ideia até o desfrutar das taças nas mãos mais apaixonadas, há um enorme manual individualmente repleto de processos carregados de delicadeza e atenção, para garantir que todo o tempo no caminho de vida do vinho receba o devido cuidado.

Colher as uvas muito após o tempo indicado, por exemplo, pode resultar em uma bebida muito alcoólica e pouco ácida. Quando colhemos muito cedo, o vinho apresenta uma bebida com menos teor alcoólico do que o ideal.

Em seguida vem o engarrafamento, que neste caso diferente da confecção de outras bebidas, tem papel essencial para que o vinho ganhe suas características únicas, uma vez colocado para descansar em barris ou tonéis. O que torna este caminho interessante é que ele continua até chegar ao nosso olfato e paladar, já que até mesmo a forma de servir altera a experiência final de degustar esta bebida.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCompra de vaga no TCE
Próximo artigoApós sete anos…