Prisão do cabo da PM envolvido na Grampolândia Pantaneira é mantida em audiência de custódia

Militar foi preso por burlar determinação judicial ao participar de uma festa em uma boate

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A prisão do cabo da Polícia Militar Gerson Luiz Ferreira Corrêa Junior foi mantida em audiência de custódia realizada na tarde deste sábado (20), no fórum de Cuiabá. O militar é apontado como uma das principais peças do esquema de interceptação telefônica ilegal, conhecido como Grampolândia Pantaneira.

A unidade em que o cabo Gerson deve cumprir a prisão, de acordo com o advogado Neyman Monteiro, ainda não foi definida. Por ser policial militar, ele deve ficar detido em algum batalhão da Polícia Militar.

Gerson foi preso nesta sexta-feira (19) após determinação do juiz em substituição legal da 11ª Vara Militar de Cuiabá, Wladmir Perri. A prisão ocorreu porque o militar descumpriu medidas cautelares.

Foi comprovado nos autos que o réu burlou determinação judicial ao participar de uma festa em uma boate, localizada na avenida Miguel Sutil, em Cuiabá.

Decisão

Na decisão, que determinou a prisão do policial militar nesta sexta-feira (19), além de destacar que o cabo faltou com a verdade perante a Justiça, pois em um primeiro momento ele negou que tinha ido à boate, o juiz Wladmir Perri enfatizou que o comportamento do cabo Gerson é de total descrédito.

“Não merece qualquer credibilidade, ou seja, o descrédito é total, ao ponto de se poder concluir que tem uma personalidade distorcida, o que oferece sérios riscos à sociedade, e principalmente para apuração dos fatos, o que, por si só já justificaria a decretação da prisão preventiva”, destacou.

O magistrado ainda pontuou que o réu não respeitou a determinação do Poder Judiciário. “O representado não tem respeito nem pela instância superior, ou seja, pelo Tribunal de Justiça, pois foi essa instância que lhe concedeu a liberdade e mesmo assim sob o pretexto de uma briga conjugal, resolve então ir com amigos da família, e aí entenda, já virando festa resolve curtir a noite cuiabana”, acrescentou.

O juiz Wladymir Perri deixou claro que a decisão tem feito de mandado de prisão e determinou que sua publicação no sistema eletrônico deveria ocorrer após a captura do réu.

“Justamente para evitar a fuga do representado, já que nem com o uso de tornozeleira o representado respeita a justiça, imagina se tomar conhecimento da presente decisão”.

Na Grampolândia Pantaneira, Gerson é apontado como um dos principais operadores do esquema de grampos ilegais, que ocorreu em Mato grosso. Ele foi o último dos cinco réus a ser solto.

O caso

O esquema de grampos ilegais foi denunciado pelo promotor de Justiça Mauro Zaque à Procuradoria Geral da República (PGR), à quem afirmou que o governo do Estado tinha conhecimento sobre as escutas ilegais instaladas em Mato Grosso.

Inicialmente, o pedido de interceptação telefônica foi autorizado pela Justiça Estadual, mas teve a finalidade alterada depois que número de pessoas sem envolvimento em crimes terem sido incluídos – uma manobra chamada de barriga de aluguel.

Depois de ter alertado o governador Pedro Taques, Zaque procurou a PRG, em janeiro de 2017. O escândalo veio à tona após uma reportagem veiculada pelo Fantástico, em maio de 2017, na qual o promotor reafirma as denúncias.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSogra é agredida por genro ao pedir de volta caixa de cerveja que era dela
Próximo artigoDelegado acusado de tortura é solto porque a mulher dele está grávida