Primeira-dama paga multa de R$ 2,4 mil para evitar processo em Cuiabá

Márcia Pinheiro era investigada por uso indevido de caminhonete da prefeitura, roubada à porta de uma clínica estética

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro, assinou um acordo com o Ministério Público de Mato Grosso (MPE) para pagar R$ 2,4 mil para evitar um processo por uso indevido de bens públicos.  

O acordo foi assinado em julho e é referente ao uso de uma caminhonete da prefeitura. O episódio é de março. Na época, a primeira-dama sofreu um assalto e uma Hilux que ela dirigia foi levada por bandidos, à porta de uma clínica de estética em Cuiabá.  

À polícia, Márcia Pinheiro disse que teria ido à clínica negociar um acordo para ações de assistência social, atividades às quais as primeiras-damas estão simbolicamente associadas.  

Porém, o Ministério Público abriu investigação sobre o caso para apurar denúncia do ex-vereador Felipe Wellaton de que o roubo aconteceu durante atividade pessoal de Márcia Pinheiro.  

Uma funcionária da clínica ouvida pelo órgão afirmou que a primeira-dama tinha horário agendado, no mesmo dia e local, para tratamento estético.  

O caso foi conduzido no Ministério Público pelo promotor Marcos Regenold. Ele disse que os R$ 2,4 mil são de benefícios que a primeira-dama teria recebido mais multa cível. A medida encerrada em acordo de não percussão cível estaria nos padrões da legislação em vigor.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInvestindo em infraestrutura
Próximo artigoTarcísio em duas vezes