Preso por estuprar e matar menino abusa sexualmente de detento na cadeia

Edson Alves Delfino está condenado há 35 anos de prisão; novo estupro ocorreu na ala evangélica da PCE

Foto: Otmar Oliveira

Edson Alves Delfino, condenado a 35 anos de prisão pelo estupro e assassinato de Kaytto Guilherme Nascimento Pinto, 9 anos, em 2009 (leia mais abaixo), voltou a cometer um crime sexual dentro da Penitenciária Central do Estado (PCE). Dessa vez, a vítima foi um colega de cela, de 21 anos.

Conforme o boletim de ocorrência, o crime aconteceu no dia 28 de julho, por volta das 3h, mas só foi divulgado nesta segunda-feira (5), pelo site Hiper Notícias.

A vítima contou que está presa na PCE por crime de roubo. A princípio, o detento estava no Raio 5, mas pediu para ir para a ala evangélica, para poder frequentar a igreja.

Na madrugada do dia 28 de julho, ele estava dormindo no chão. Como estava frio, Edson o chamou para dormirem juntos e ele aceitou.

Durante a madrugada, a vítima acordou com o colega de cela passando a mão em suas nádegas e se masturbando em cima de seu corpo.

Assustado, o rapaz saiu da cama e foi se deitar no chão novamente. Edson ainda teria ficado chamando a vítima para conversar, mas o rapaz se negou a ir. Após um tempo, Edson desistiu.

O detento vítima do assédio contou ao pastor o que tinha ocorrido e este chamou os agentes penitenciários. O rapaz foi, então, levado à Central de Flagrantes de Cuiabá para registrar a ocorrência.

Edson foi ouvido pelo delegado plantonista, companhado de dois agentes penitenciários.

Histórico do estuprador

Edson foi preso há 10 anos por estuprar e matar Kaytto Guilherme Nascimento Pinto, de 9 anos. À época com 29 anos, o condenado trabalhava em uma obra no condomínio que a vítima morava com o pai e a irmã.

A princípio, Kaytto foi dado como desaparecido. Depois, Edson confessou o assassinato. Ele foi preso quatro dias após o crime, tentando fugir para Campo Grande (MS).

À época, Edson estava em condicional, por outro estupro cometido em 1999, em Primavera do Leste, também contra um menino que foi abusado e assassinado.

O caso Kaytto, ocorrido no dia 13 de abril de 2009 em uma área de mata no Centro Político Administrativo, é lembrado como um dos mais chocantes e cruéis já ocorridos em Mato Grosso.

O corpo da criança foi encontrado somente após a prisão de Edson, a cerca de 1,5 km do condomínio onde a família morava.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem denuncia mulher por atear fogo na casa e também acaba preso
Próximo artigoMPE investiga superfaturamento de R$ 5,4 milhões em contrato da Sinfra

O LIVRE ADS