Prefeitura e Estado não se entendem e militares ficam sem vacina em Cuiabá

Secretaria de Estado de Segurança Pública informou que atendimento será reiniciado amanhã às 9h

Militares vão vacinar, mas doses não chegam. Foto: (Ednilson Aguiar/O Livre)

Como as vacinas contra o covid não chegaram no ponto de vacinação, o secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, suspendeu a imunização dos militares em Cuiabá, que começaria nesta quinta-feira (8). O processo será reiniciado na sexta-feira às 9h para os 1.601 servidores com idade entre 73 e 48 anos.

Desde às 7h da manhã, servidores da PM, PRF, Corpo de Bombeiros e Forças Armadas estão na unidade do Sesi, no bairro Porto. Contudo, a Prefeitura de Cuiabá, responsável pela aplicação, não compareceu ao depósito para pegar as doses.

Servidores começaram a chegar por volta das 7h da manhã e esperaram até 12h a chegada da vacina. (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Após uma espera de cinco horas, por volta das 12h, Bustamante achou por bem adiar a vacinação dos profissionais da Segurança Pública. Vale lembrar que o problema aconteceu apenas na Capital, nos demais municípios de Mato Grosso os agentes já foram vacinados como o cronograma previa.

Conforme a secretário Alexandre Bustamante, a vacinação dos militares e a inclusão deles no grupo prioritário foi fruto de uma intensa articulação com o Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público Estadual (MPE) e foi aprovado pelo Conselho dos Secretário de Saúde.

Bustamante afirmou que, desde segunda-feira (5), a Secretária de Estado de Segurança Pública (Sesp) está encaminhando os documentos necessários e fazendo parcerias para facilitar o processo.

O secretário da Casa Civil, Mauro Carvalho, e o de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, tentaram contornar a situação. (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Uma delas foi com o sistema Fiemt, que disponibilizou o prédio no porto para atender apenas os militares e, assim, evitar mais aglomerações no Centro de Eventos do Pantanal, o ponto central de vacinação para a população de Cuiabá.

No entanto, no plano de imunização, cabe a prefeitura identificar quem recebe a vacina, lançar a dose e o lote no cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) do usuário. Para que haja o controle, apenas o Município recebe o login e a senha do sistema do Ministério da Saúde.

“Fizemos a nossa parte, mas não podemos pegar as doses. A aplicação é atribuição exclusiva das prefeituras. Então, estamos reféns. Nos outros municípios, os militares mais idosos já foram vacinados. As prefeituras com menor contingente, chegaram a atender 100% dos servidores”.

Sem comunicação

O deputado estadual Elizeu Nascimento também estava no local e apresentou críticas a prefeitura de Cuiabá. Ele afirmou que a expectativa pela vacina era muito grande porque os militares se preocupam com eles e com a família deles também.

“O pior é que não há um retorno da prefeitura. Nem o prefeito e nem as autoridades atendem sequer o telefone para dar um justificativa”, afirmou.

O que a prefeitura tem a dizer?

A prefeitura de Cuiabá, por meio de nota, assegura que a não vacinação dos militares é uma responsabilidade do governo do Estado.

Leia nota na íntegra:

Em relação à vacinação dos membros das Forças Armadas e Forças de Segurança Pública, a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá (SMS) informa que:

– Não recebeu vacinas destinadas a esse grupo. Conforme resolução da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) nº 21, as 22.515 doses recebidas o último dia 5 devem ser usadas da seguinte forma:
2.575 doses de Astrazeneca, voltadas para segunda dose de trabalhadores da saúde; 19.940 doses da Coronavac, sendo 17.970 doses para segunda aplicação de trabalhadores da saúde e de idosos e 1.970 doses para primeira aplicação de idosos de 65 a 69 anos.

– A Secretaria de Estado de Saúde sugeriu ao Município que retirasse dessas doses uma parte para iniciar a vacinação dos membros das Forças Armadas e Forças de Segurança Pública, o que foi negado, diante da responsabilização legal que pode advir disso. Necessário informar, que neste caso, a responsabilidade pela vacinação é da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso.

– A SMS destaca que não participa da organização da vacinação dos membros das Forças Armadas e Forças de Segurança Pública, que é da Secretaria de Estado de Segurança Pública.

– A SMS informa que apenas participou oferecendo a capacitação para que os próprios servidores atuassem na vacinação, desde o registro até a aplicação das doses, no caso daqueles que têm formação na área da Saúde.

-Em relação às doses destinadas ao grupo, a SMS esclarece que aguarda a resolução CIB Ad Referendum que regulamenta a distribuição de doses para a SESP.”

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorImitáveis lança trailer de filme sobre Jacildo e Seus Rapazes
Próximo artigoConclusão de Monografia: Qual a diferença de conclusão para considerações finais?