Prefeito quer apoio do Estado e da União para decretar intervenção na Santa Casa

Emanuel Pinheiro cobrou que governo do Estado arque com 70% dos custos, já que esse é o percentual de pacientes do interior atendidos na Capital

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) vai esperar mais uma semana para decidir se decreta ou não intervenção no contrato do Município com a Santa Casa da Misericórdia de Cuiabá. Até lá, os pacientes que fazem tratamento na unidade serão realocados para outros hospitais da Capital e o contrato seguirá suspenso. Com a medida, a Santa Casa foi bloqueada no sistema de regulação e os novos pacientes que iriam para lá estão sendo reagendados.

Emanuel Pinheiro disse ainda que vai buscar apoio do governador Mauro Mendes (DEM) e do governo federal. Quer ajuda ao Município na eventual missão de administrar a unidade. A base legal para a intervenção nos serviços realizados pela Santa Casa é a paralisação nos atendimentos sem aviso prévio de no mínimo 90 dias, como preconiza a Lei de Licitações, a 8.666/93.

O prefeito argumentou que, no caso específico da Santa Casa, o prazo deveria ser ainda maior. O contrato dela com a prefeitura prevê um aviso de, no mínimo, 120 dias. Os serviços foram paralisados na segunda-feira (11), sem que o Município tivesse sido notificado. A intervenção no contrato, portanto, seria semelhante ao que foi feito pelo Estado nos Hospitais Regionais que eram administrados por Organizações Sociais de Saúde (OSS).

Emanuel Pinheiro falou sobre o assunto na manhã desta sexta-feira (15), em entrevista coletiva. Na oportunidade, expôs o que a Prefeitura de Cuiabá vem fazendo desde o anúncio da paralisação nos atendimentos. Conforme ele, pacientes estão sendo transferidos para o Hospital Geral e Hospital do Câncer (Hcan), sobretudo os da oncologia infantil (crianças com câncer).

70% do Estado

Outro ponto destacado pelo prefeito é o número de pacientes do interior do Estado atendidos na Capital. Segundo ele, essas pessoas representam cerca de 70% dos atendimentos. O governo paga por esses atendimentos, no entanto, o Estado já acumula uma dívida de R$ 164 milhões com o Município, disse o prefeito. Desse montante, ainda conforme Emanuel, R$ 82 milhões são da emenda que iria para o novo Hospital e Pronto Socorro de Cuiabá, mas que foram usados pelo governo.

“Se precisar aportar R$ 10 milhões, a Prefeitura tem que dar R$ 3 milhões e o Estado R$ 7 milhões”, exemplificou, defendendo que o Estado seja o grande financiador dos atendimentos nos hospitais filantrópicos. O emedebista ainda citou nominalmente o governador Mauro Mendes (DEM), destacando o fato de ele ter sido prefeito de Cuiabá e conhecer a situação.

“Bem ou mal, Cuiabá está carregando nas costas a saúde pública deste Estado. Quem está salvando vidas, quem está ‘segurando a onda’, como diz o ditado, é a Prefeitura de Cuiabá. Olha que é ataque o dia inteiro”, disse Emanuel.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPoliciais emocionam ao participar de aniversário de menino que sonha em ser PM
Próximo artigoDavid Shwimmer, o Ross de Friends, não gostava do macaco do personagem