Prefeito de Cuiabá pede investigação de suposto uso político de delegacia

Emanuel Pinheiro diz que denúncia protocolada na Corregedoria da Polícia Civil contém dados graves sobre direcionamento

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro abriu um pedido de investigação sobre suposto direcionamento da Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (Deccor) contra a sua gestão. 

O pedido foi protocolado nesta terça-feira (22), na Corregedoria Geral da Polícia Civil. A medida já havia sido anunciada pelo prefeito alguns dias após a deflagração da segunda fase da Operação Overpriced, que investiga indícios de desvio de dinheiro na Secretaria de Saúde do município. 

Hoje, ele disse que a representação contém “denúncias graves, indícios fortíssimos” que materializaria “a falta de isenção, abuso e perseguição política” pelo governo do Estado. 

“Do início desta gestão [estadual] pra cá, houve uma política de esvaziamento da Delegacia Fazendária, que foi desmantelada para estruturar a Deccor que, desde o seu nascimento até hoje, tem sido aparelhada para atingir a Prefeitura de Cuiabá”, disse. 

“Vista grossa” 

Emanuel Pinheiro listou casos que, segundo ele, corroborariam o uso político da delegacia que teriam recebido “vista grossa” para apuração das denúncias.  

Foram citados “compra do jato pelo governo em parceria com o Tribunal de Justiça, compra de livros gratuitos pela Seduc (Secretaria de Estado de Educação), fraude em compra de respiradores para tratamento da covid-19 e R$ 7 milhões para construção de UTI (Unidade Tratamento Intensivo) em Sinop”, cujos contratos foram entregues à CPI Covid do Senado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). 

“Essa [denúncia] é a primeira de uma série de medidas que estaremos utilizando para combater o uso do aparelho estatal, violência à democracia”, afirmou. 

Conforme o prefeito, o suposto direcionamento está atribuído na denúncia ao governador Mauro Mendes e a servidores de Deccor, mas não especificou os cargos ocupados por eles nem quantos seriam. 

O prefeito disse ainda que cópias da representação foram encaminhadas às presidências da República, do Senado, da Câmara Federal, ao ministro da Justiça, Anderson Torres, à Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT) e à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj).

Outro lado

Em nota, a assessoria do governador Mauro Mendes afirmou que “espera que a Corregedoria Geral da Polícia Civil analise a denúncia o mais breve possível, com a independência que sempre pautou as ações da instituição”. 

A Polícia Judiciária Civil (PJC) informou que a Corregedoria analisa as declarações do prefeito Emanuel Pinheiro para se manifestar sobre o assunto. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSaneamento de qualidade, sustentabilidade na prática
Próximo artigoCovid: produção de vacina pela indústria veterinária entra na pauta do Senado