Prefeito de Cuiabá é afastado do cargo por suspeita de improbidade administrativa

Emanuel Pinheiro e a esposa são alvo de mandados de busca e apreensão. Chefe de gabinete, Antônio Monreal Neto foi preso temporariamente

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB) foi afastado de suas funções públicas e, tanto ele como a esposa, Márcia Pinheiro, estão sendo alvo de mandados de busca e apreensão. Eles são investigados pelo crime de improbidade administrativa, que teria acontecido na Secretaria Municipal de Saúde. O casal também teve bens sequestrado.

Além do prefeito e da esposa, o chefe de gabinete da prefeitura, Antônio Monreal Neto,  teve mando de busca e apreensão expedido. Ele ainda foi afastado do cargo e preso temporariamente.

Também está na lista de pessoas suspeitas a secretária-adjunta de Governo e Assuntos Estratégicos, Ivone de Souza (afastada do cargo), e o do ex-coordenador de Gestão de Pessoas, Ricardo Aparecido Ribeiro (alvo de busca e apreensão).

As medidas judiciais foram concedidas pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso, a pedido do Ministério Público do Estado, e cumpridas na manhã desta terça-feira (19), durante a Operação Capistrum.

O que diz o prefeito?

Emanuel Pinheiro informou por meio de nota que recebeu notificação judicial na manhã de hoje (19) sobre a investigação do Ministério Público de Mato Grosso.

Ele afirma que recebeu com surpresa a decisão que gerou seu afastamento em razão de apuração por contratação irregular de servidores da Saúde em Cuiabá.

Pinheiro disse ainda que posteriormente vai se manifestar à população e imprensa e que está à disposição das autoridades e vai colaborar para o pronto esclarecimento dos fatos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Não se pode perseguir alguém por não tomar vacina”, diz Bolsonaro
Próximo artigoChefe de gabinete foi acusado em CPI de mudar licitação para favorecer Norge Pharma