Preço da gasolina reduz nas refinarias, mas pode não mudar nas bombas

Primeira redução anunciada pela Petrobras em 2021 é de 4,95% e começa a valer a partir de hoje; reflexo para consumidor dependende de mais fatores

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A Petrobras anunciou que o preço médio da gasolina nas refinarias terá redução de R$ 0,14 por litro, o que representa uma queda de 4,95%. O reajuste começa a valer a partir de hoje (20).  

O preço médio do combustível ficará em R$ 2,69 por litro. O diesel não sofre alteração, permanecendo em R$ 2,86 por litro. 

O impacto do reajuste nas refinarias, porém, não repercute de forma imediata no custo da gasolina nos postos de combustível. De acordo com nota divulgada nessa sexta-feira (19) pela estatal, as variações para mais ou para menos estão associadas ao mercado internacional e à taxa de câmbio e têm influência limitada sobre o valor repassado aos consumidores finais. 

“Como a legislação brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, a mudança no preço final dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de combustíveis”, diz trecho da nota.  

Esta é a primeira redução anunciada em 2021. Desde janeiro, o preço médio da gasolina já havia sofrido seis aumentos. Com o novo anúncio, o combustível passa a acumular alta de R$ 46,2% desde o início do ano. Já o diesel subiu 41,6%. 

A sequência de aumentos gerou críticas públicas do presidente Jair Bolsonaro. No mês passado, ele anunciou mudança no comando da Petrobras, indicando general Joaquim Silva e Luna para a presidência.  

Ele deverá substituir Roberto Castello Branco, cujo mandato se encerra hoje. O anúncio da troca gerou queda nas ações da empresa. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEx-presidente do TJ morre com covid-19
Próximo artigoMato Grosso recebe 58,7 mil doses das vacinas CoronaVac e AstraZeneca