Pré-candidato a deputado federal, cabo diz que unificação das polícias é natural

Segundo o PM, a criação do Sistema Único de Segurança Pública (Susp), aprovada no Senado nesta semana, é mais um passo no caminho dessa unificação

(Foto: O Livre)

O cabo Laudicério Machado, que deve se filiar ao partido DC (antigo PSDC) e se prepara para ser candidato a deputado federal por Mato Grosso, defende que a unificação das polícias civil e militar é um processo que deve ocorrer naturalmente no Brasil, a longo prazo. Segundo o PM, a criação do Sistema Único de Segurança Pública (Susp), aprovada no Senado nesta semana, é mais um passo no caminho dessa unificação.

“A unificação é possível e acredito que ocorrerá de maneira natural com as ações semelhantes. Por exemplo, com o ciclo completo, ocorrerá uma semelhança entre o trabalho da civil e da militar. Com isso, as relações de poder serão menos discutidas e menos impositivas. O processo deve levar de 15 a 20 anos”, analisou.

O ciclo completo a que ele se refere é a atuação plena das instituições policiais, ou seja, prevenção, repressão e investigação. “Em um acidente de trânsito que não teve mortes, por exemplo, a Polícia Militar atende a ocorrência e depois passa para a Polícia Civil. No ciclo completo, a PM finalizaria o processo”, exemplificou.

Segundo o militar, que é mestre e doutor em Gestão de Pessoas, é preciso que haja uma aproximação cultural das polícias civil e militar antes de concretizar a unificação. “São duas culturas diferentes querendo uma junção e, para isso, é preciso que ocorra o aculturamento”, disse.

“É preciso resolver primeiro os problemas internos de cada organização para que a realidade das duas se assemelhe para convergir. A unificação não pode ser imposta, mas sim adotada de maneira cultural primeiro. Não tem como unificar de cima para baixo, pois são culturas dicotômicas”, analisou.

A unificação, porém, não implicaria em uma desmilitarização da polícia. Laudicério defende uma junção que mantenha uma estrutura militar e uma estrutura civil na mesma instituição. “O Estado entende que quem fornece sensação de segurança é a Polícia Militar. O Susp trabalha com o conceito de complementação”, explicou.

Outras áreas

O militar já deu início à “vaquinha online” para arrecadar recursos para sua campanha. Sem grandes financiadores por trás, ele contou que foi menosprezado por alguns políticos. “Um deputado tirou sarro de mim e disse que eu precisava gastar R$ 600 mil na campanha, ou não seria eleito”, disse.

Além do setor de Segurança, o pré-candidato disse que vai apresentar propostas nas áreas de Saúde e Educação, coletando demandas da população em todo o Estado para transformar em projetos. “Meus projetos serão fundamentados de maneira científica, porque sou pesquisador”, prometeu. “Quero reverter para a sociedade as oportunidades que não tive”, disse.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. A unificação da polícia é algo interessante sim, mas se torna inviável se não ocorrer a desmilitarização do cargos de comando da polícia.
    A polícia que dá sensação de segurança, não o militarismo.

  2. unificação, porém, não implicaria em uma desmilitarização da polícia. Laudicério defende uma junção que mantenha uma estrutura militar e uma estrutura civil na mesma instituição. “O Estado entende que quem fornece sensação de segurança é a Polícia Militar. O Susp trabalha com o conceito de complementação”, explicou.
    Nesse contexto discordo deve unificar e fazer uma única policia ou seja ESTADUAL OU FEDERALIZADA

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPara fugir do preconceito, ciganos abandonaram nomadismo e vivem sem identificação
Próximo artigo5 frases que Taques, provavelmente, não gostaria de ter dito