Praticar atividades físicas pode “turbinar” efeitos das vacina contra a covid-19

Pesquisa brasileira aponta que chances são 1,4 maiores de atingir a chamada soroconversão, ou seja, a proteção total contra a infecção

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Pessoas fisicamente ativas podem ter uma resposta imune melhor quando vacinadas contra a covid-19 do que as sedentárias. A conclusão é de um estudo conduzido por pesquisadores da USP e colaboradores.

Foram avaliados 1.095 voluntários, todos imunizados com a Coronavac entre fevereiro e março deste ano. As amostras de sangue deles foram colhidas três vezes: logo após a segunda dose da vacina, passados 28 dias e depois de 69 dias.

Os pesquisadores analisaram a produção total de anticorpos contra o sars-cov-2 e a quantidade específica de anticorpos neutralizantes (NAb), ou seja, os capazes de impedir a entrada do vírus na célula humana.

E a constatação a que chegaram é que os fisicamente ativos tinham chances 1,4 maiores de atingir a chamada soroconversão, que é a proteção total contra a infecção pelo novo coronavírus.

“Dizendo isso de outra forma: para cada 10 pacientes inativos que soroconverteram após a segunda dose da vacina, há 14 pacientes fisicamente ativos que atingiram o mesmo resultado”, explica Bruno Gualano, professor da Faculdade de Medicina da USP e primeiro autor do artigo.

Mas o que é ser fisicamente ativo?

Para o estudo, os pesquisadores consideraram um tempo de, pelo menos, 150 minutos semanais – o equivalente a pouco mais de 20 minutos diários – de atividade física.

E por “atividade física” entederam qualquer atividade que mantenha a pessoa em movimento, seja exercícios como a prática de esportes ou caminhadas, até atividades domésticas ou relacionadas ao trabalho e deslocamentos de rotina, como ir a pé ao supermercado.

LEIA TAMBÉM

Já como sedentárias foram classificados os voluntários que passavam mais de oito horas diárias sentados ou deitados.

“Uma pessoa que corre durante uma hora todos os dias e passa o resto do tempo sentada em frente a uma tela é considerada ativa e sedentária ao mesmo tempo. Nós combinamos esses dois conceitos diferentes em nossa análise”, explicou Gualano.

E quando as amostras de sangue foram observadas, disse o professor, o resultado parecia ser uma “escadinha”: “no alto, com a melhor resposta vacinal, estão os ativos não sedentários. Na sequência, vêm os indivíduos ativos e sedentários. Por último, os inativos e também sedentários”.

A pesquisa

A pesquisa conduzida por Gualano tem com objetivo central avaliar a segurança e a efetividade da CoronaVac em pessoas que com doenças reumáticas autoimunes. Trata-se de pacientes com artrite, lúpus, esclerose, entre outras enfermidades, que fazem uso de medicamentos que reduzem a atividade do sistema imune.

Na primeira parte da pesquisa, o professor da USP descobriu que a Coronavac induzia uma resposta “aceitável”, mesmo que reduzida, nesse grupo de pacientes. Com o segundo estudo, ele buscou descobrir se o estilo de vida poderia melhorar esses resultados.

Dos 1.095 voluntários da pesquisa, 898 eram pacientes imunossuprimidos, sendo 494 ativos e 404 inativos. As outras 197 pessoas não tinham doenças autoimune e foram consideradas um “grupo de controle”.

A pesquisa ainda presisa ser revisada por outros estudiosos da área.

(Com informações do Jornal da USP)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLira afirma que Reforma Tributária será votada ainda nesta semana
Próximo artigoPrivatização = Obras