Postos de MT alegam não ter condições de reduzir R$ 0,46 no diesel

Sindipetróleo diz que governo federal tenta transformar revendedores em vilões

Posto na Avenida Fernando Corrêa, em Cuiabá. Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre

Diversos postos de Mato Grosso alegam não ter condições de reduzir em R$ 0,46 o preço do litro de óleo diesel na bomba a partir desta sexta-feira (1º), conforme prometido pelo presidente da República, Michel Temer (MDB), para pôr fim à greve dos caminhoneiros. O posto que não aplicar a redução na bomba pode ser multado em R$ 9,4 milhões.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Sindipetróleo), Aldo Locatelli, emitiu nota demonstrando preocupação com a medida do Governo Federal. “Será necessário aguardar para verificar qual será o efetivo repasse de redução no diesel pelas distribuidoras. Só a partir daí é que se terá a real ideia de quanto o consumidor receberá de redução oferecida pelas distribuidoras”, disse o empresário.

Locatelli culpou a Petrobrás e a carga de impostos pelo aumento do preço dos combustíveis no país. Ele tachou o anúncio de Temer de irresponsável, e disse que o governo federal tenta transformar os postos em vilões da alta do combustível.

Leia a nota na íntegra:

O Sindipetróleo (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis de Mato Grosso) externa a preocupação da revenda com o anúncio do Governo Federal de que o preço do diesel sofrerá redução de R$ 0,46 por litro nas bombas já a partir desta sexta-feira (1º/06).

Muitas foram as ligações ao sindicato com o seguinte questionamento: “Minha companhia distribuidora não repassou a redução de R$ 0,46 no diesel prometida pelo governo. Vou ser multado?”

Segundo o governo, o posto que não reduzir o diesel neste valor poderá ser multado em até R$ 9,4 milhões.

O presidente da Fecombustíveis, Paulo Miranda Soares, se reuniu hoje pela manhã com representantes do governo para esclarecer como foi formulada a determinação e solicitar garantias estatais para que a redução chegue, efetivamente, aos postos. Os revendedores não possuem condições financeiras de arcar com a queda no valor do diesel, sendo que existem outros elos responsáveis também pela formação de preços.

No intuito de ser transparente, ético, honesto e objetivo com a população, o Sindipetróleo ressalta que será necessário aguardar para verificar qual será o efetivo repasse de redução no diesel pelas distribuidoras. Só a partir daí é que se terá a real ideia de quanto o consumidor receberá de redução oferecida pelas distribuidoras.

O Sindipetróleo repudia a forma irresponsável do anúncio efetivado pelo Governo Federal, falseando a verdade para a sociedade e transferindo ao revendedor ônus que não lhe cabe, tentando transformá-lo, mais uma vez, em vilão dos preços altos dos combustíveis, ônus este que, como felizmente já é de conhecimento da população, cabe à imensa carga tributária que pesa sobre o setor e à política de preços e margem de lucro da Petrobras.

Aldo Locatelli
Presidente do Sindipetróleo

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPRF escolta carga de Mato Grosso do Sul para o Marechal Rondon
Próximo artigoCriminoso foragido de alta periculosidade é preso pela Polícia Civil

O LIVRE ADS