Por que querem calar a CPI do Paletó?

Se você acredita que ao ler as linhas abaixo terá a resposta da pergunta do título deste texto, já te adianto que não. E sabe o porquê? Porque eu não tenho uma resposta plausível para tudo que tem acontecido na nossa Câmara Municipal desde a terça-feira, dia 14 de novembro de 2017. Mas te peço, não desista, vá até o fim e quem sabe juntos conseguiremos encontrar as explicações.

Caso não se lembre, foi nessa data que o requerimento para a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o recebimento de maços de dinheiro pelo prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, que na época era deputado estadual, foi lido em plenário. O montante foi entregue pelo então chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa, Silvio Cézar Corrêa Araújo. Pinheiro guardou o valor recebido nos bolsos do paletó. Toda a ação foi registrada em vídeo.

Naquela terça-feira acreditei que eu e os meus colegas vereadores dávamos um passo importante rumo ao cumprimento de uma das nossas funções, fiscalizar e investigar a conduta do chefe do poder Executivo municipal. Queríamos saber se Pinheiro cometeu quebra de decoro enquanto deputado o que tira a moralidade dele para exercer o cargo de prefeito de Cuiabá e também se tentou obstruir a Justiça. Infelizmente, a minha ilusão durou menos de 100 dias.

Neste curto período conseguimos ouvir o ex-governador Silval Barbosa. Também realizamos oitivas com o ex-secretário de Indústria e Comércio, Alan Zanatta, com o servidor da Assembleia Legislativa, Valdecir Cardoso de Almeida, responsável por instalar a câmera usada para gravar o prefeito Emanuel Pinheiro recebendo o dinheiro e com o próprio Sílvio Corrêa.

Apesar das diversas contradições nas informações prestadas por eles, tudo caminhava conforme o esperado, o quebra-cabeças ia sendo montado. Ainda faltavam 71 dias para o fim do nosso prazo, tínhamos tempo para ouvir outras peças chaves. O fato é que o protecionismo imperou. Uma verdadeira operação abafa foi colocada em prática. O relator da CPI, Adevair Cabral e o vereador Mário Nadaf (PV), protegidos pelo presidente da Câmara Justino Malheiros, e outros colegas, conseguiram parar a investigação.

O irmão do prefeito Marcos Polo Pinheiro, o “Popó”, que defendeu Emanuel Pinheiro e disse que ele recebia um pagamento por pesquisas, estava na nossa lista. O ex-deputado estadual José Riva, responsável por distribuir a propina na Assembleia Legislativa, também seria ouvido por nós. Te pergunto, será que Riva não teria nada de importante a nos contar? Ou será que alguém, além do próprio Emanuel, poderia ser “prejudicado” com a vinda dele à Câmara?

A verdade é que ficou claro que membros da CPI a travaram. Mas nós não nos demos por vencidos. Acreditamos que a população cuiabana quer a elucidação dos fatos. E nós vamos buscá-la.

Não vamos nos contentar com o relatório que Adevair Cabral vai apresentar à tribuna. Estamos trabalhando junto com vereador Marcelo Bussiki (PSB), presidente da CPI e único a votar a favor da continuidade das investigações, em um relatório independente.

Apesar do impedimento das demais oitivas, o material que produzimos é uma grande evolução e não vamos permitir que ele seja perdido. Vamos encaminhá-lo aos órgãos competentes, Ministério Público Estadual (MPE), Procuradoria Geral da República (PGR) e ao próprio Judiciário.

Para nós, a CPI não terminou. O 2 a 1 de sexta-feira, nove de março, não é o final do jogo. Vamos para a prorrogação e até para os pênaltis, se preciso for.

* Felipe Wellaton é vereador eleito por Cuiabá

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorReajuste do Bolsa Família será anunciado ainda este mês
Próximo artigoServiços têm queda de 1,9% de dezembro para janeiro, diz IBGE

O LIVRE ADS