Por que lei que permite doação de comida preocupa restaurantes?

O risco é a contaminação no transporte e manipulação dos alimentos. Algo que ainda precisa ser regulamentado

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Doar alimentos que foram produzidos e acabaram não sendo comercializados por restaurantes era proibido até 26 de junho, devido ao risco de contaminação. Mas isso mudou com a Lei 14.016/2020. Agora, a preocupação da Vigilância Sanitária e dos próprios empresários é como será feito o transporte e a distribuição dessa comida a quem precisa.

Gerente de fiscalização da Vigilância Sanitária de Cuiabá, Divalmo Pereira Mendonça explica que o governo federal ainda vai normatizar, por meio de decreto, como será. No entanto, o temor dos empresários é com relação à responsabilização em caso de haver problemas.

Ele argumenta que os restaurantes têm uma série de processos que garantem a qualidade do alimento dentro dos estabelecimentos, mas podem ficar inseguros sobre o controle quando o produto sair do local.

“O controle de temperatura é constante, bem como para quente como para frio. Assim, é preciso estruturar o processo para que haja como identificar se o problema foi causado pelo restaurante ou pelo intermediário”, explica.

É bom lembrar que a lei permite a doação apenas para pessoas em situação de vulnerabilidade e sem retorno financeiro ao doador.

Mendonça lembra que, caso haja contaminação na comida, a pessoa que ingerir pode ter várias infecções como as causadas por salmonela e o botulismo. E se o local de entrega for um asilo ou abrigo para pessoas com a saúde debilitada, isso pode causar até a morte.

O que pensam os restaurantes?

Presidente de Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) em Mato Grosso, Lorena Bezerra acredita que os restaurantes podem se interessar pela doação de alimentos, porém, com a pandemia, quase ninguém está trabalhando. Logo, não há o que distribuir.

Segundo ela, a lei dará oportunidade apenas para quem trabalha com o sistema de buffet, uma vez que os estabelecimentos que têm serviço à la carte, não têm sobras.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Nesses método, tudo que eles fazem vai para a mesa do cliente e, se sobrar algo, precisa ser descartado.

Com relação à segurança alimentar, Lorena disse que acha possível o transporte, desde que não haja paradas no meio do caminho. Também é preciso que a comida esteja devidamente embalada e que sejam estabelecidas regras dentro do manual de boas práticas, que todos os restaurantes são obrigados a ter.

Entenda a lei

O texto é de autoria do senador Fernando Collor de Melo (PROS/AL) e tem entre os objetivos, contribuir no combate à fome. Conforme o que foi aprovado, o restaurante só será responsabilizado por algum efeito da comida nas pessoas se houver dolo, ou seja, se comprovada a intenção.

Ainda está prevista a doação de qualquer comida, in natura ou processada, mesmo as com “aspecto comercial indesejável”.

O projeto diz ainda que a doação pode ser feita diretamente os público ou por meio de entidades intermediárias.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMais UTIs
Próximo artigoReceita Federal alerta: prorrogações por causa da pandemia chegaram ao fim

O LIVRE ADS