Por 6 a 5, ministros negam HC e Lula deve ser preso

    (José Cruzr/Agência Brasil)

    Por 6 votos a 5 o Supremo Tribunal Federal (STF) negou o habeas corpus preventivo apresentado pela defesa de Luiz Inácio Lula da Silva com o objetivo de impedir a prisão do ex-presidente, condenado em janeiro a 12 anos e 1 mês de reclusão pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

    Dos ministros, cinco votaram contra a concessão do habeas corpus: o relator do caso, Edson Fachin e os ministros Alexandre de MoraesLuís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux . Outros cinco a favor, entre eles o ministro mato-grossense Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello e Celso de Mello.

    O desempate veio com o voto da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia. Ela acompanhou o voto do relator, sendo contrária ao HC preventivo.

    A ministra Rosa Weber foi uma das surpresas da noite. Ela havia votado pela liminar ao ex-presidente contra a prisão da Lava Jato, mas nesta quarta votou pela denegação do habeas corpus. A ministra destacou que no Supremo e no TSE adotou a orientação de “tratar casos semelhantes de modo semelhante”.

    Já o ministro Gilmar Mendes, pediu à presidente do STF, Cármen Lúcia, para votar logo após o relator, pois, precisava voltar para Portugal. Ele chegou ao Brasil na manhã de hoje para votar a favor ao pedido de habeas corpus preventivo.

    Durante seu voto, ele defendeu que Lula só comece a cumprir pena após a confirmação da condenação em terceira instância, no Supremo Tribunal de Justiça, e não em segunda instância.

    Com o resultado, o ex-presidente Lula poderá ser preso, mas só depois de esgotados os recursos em segunda instância. O ex-presidente ainda tem direito a um último recurso, que não tem data para ser julgado. O recurso é contra a decisão do TRF-4 do último dia 26, que negou os embargos declaratórios impetrados pela defesa.

    Segundo a assessoria do TRF-4, a defesa de Lula tem até as 23h59 do próximo dia 10 para apresentar este recurso. Após, o Ministério Público Federal ainda terá dez dias de prazo para argumentação para negá-lo, caso se considere que o pedido da defesa pode mudar o resultado do acórdão, o que é difícil. E, ainda assim, o TRF-4 precisa tomar sua decisão, algo que não tem prazo para acontecer.

     

    Use este espaço apenas para a comunicação de erros





    Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Artigo anteriorSelma anuncia seu partido nesta quinta
    Próximo artigoNilson sobre Lula: “Supremo fez a sua parte”

    O LIVRE ADS