Por 15 votos a 8, Gilmar é condenado por desvio de R$ 1,5 milhão da Assembleia

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Quinze desembargadores do Tribunal de Justiça de Mato Grosso votaram pela condenação do deputado estadual Gilmar Donizete Fabris por desvio de R$ 1,5 milhão da Assembleia Legislativa. O julgamento foi realizado na tarde desta quinta-feira (14).

Ao todo, quinze desembargadores acompanharam o parecer do desembargador José Zuquim. O magistrado entendeu que a assinatura de Fabris em 22 cheques que foram desviados seriam “robustas provas” do crime de peculato e desvio de dinheiro público.

Quanto a pena aplicada, segundo assessoria do Tribunal de Justiça, ainda há divergências.

Os desvios teriam ocorrido em 1996, enquanto Fabris era presidente e o ex-deputado José Geraldo Riva ocupava a Primeira Secretaria da Assembleia. No total, foram utilizados 123 cheques emitidos para diversas empresas e descontados pela Madeireira Paranorte Parasul Ltda. De acordo com o Ministério Público Estadual (MPE), tratava-se de uma empresa de fachada, constituída apenas com o objetivo de desviar recursos do legislativo estadual.

Entre 1996 e 1997, a maior parte dos cheques foram emitidos para compra de passagens aéreas e rodoviárias. “Muitos cheques que inexplicavelmente iam parar na conta da madeireira, uma empresa fantasma”, relatou Zuquim.

 

Dos 30 magistrados que compõem o Pleno do Tribunal de Justiça, 23 estiveram presentes na sessão. O relator, desembargador Pedro Sakamoto, e o revisor, desembargador Rondon Bassil Dower Filho, votaram em sessão anterior pela absolvição do parlamentar. Também votaram pela absolvição os desembargadores: Gilberto Giraldelli, Antônia Siqueira Gonçalves, Orlando Perri, Luiz Ferreira da Silva, Alberto Ferreira de Souza e Marcos Machado.

E pela condenação os desembargadores: Cleuci Terezinha Chagas, José Zuquim, Serly Marcondes, Sebastião Farias, Nilza Pôssas de Carvalho, Helena Maria Bezerra Ramos, Rubens de Oliveira Santos Filho, Juvenal Pereira da Silva, Márcio Vidal, Maria Helena Póvoas, Clarice Claudino, Maria Erotides Kneip, Dirceu dos Santos, Luiz Carlos da Costa, João Ferreira Filho.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFávaro defende cortes de regalias e reforma política urgente
Próximo artigoCNI pede ao STF para suspender tabelamento de frete rodoviário