Ponto de disjunção: ida de Moro e Dellagnol ao Podemos pressiona José Medeiros

Apoiador ferrenho de Bolsonaro, deputado federal vive situação de tensão sobre seu futuro político, entre fidelidade ao presidente ou aposta em Moro

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

O deputado federal José Medeiros (Podemos) pode entrar em uma sinuca de bico. Figura de destaque na base do presidente Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados, inclusive oficialmente com a função de vice-líder, ele poderá ter escolher entre o apoio quase incondicional a Bolsonaro e o espectro da Lava-Jato para as eleições de 2022. 

As filiações em andamento do ex-juiz Sérgio Moro e do ex-coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, vão forçá-lo a escolher um lado. Moro, que entrou no governo Bolsonaro como o juiz da Lava-Jato, saiu como um potencial adversário em 2022, alternativa que está se ossificando. 

A posição dele nos julgamentos de políticos em processos sobre corrupção, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é cume das decisões judiciais, deve ser um dos motes da campanha eleitoral que se encaminha. E Medeiros sabe desse peso. 

“Primeiro, a filiação do Moro e do Dellagnol mostra a sanidade moral, o compromisso do Podemos. São duas figuras destacadas e grande importância para a Lava-Jato; isso é incontestável”, afirmou ele para O Livre. 

Por outro lado, o atrito dos advogados com Bolsonaro também está no horizonte da política brasileira. Ele foi ministro da Justiça e diz ter aceitado o cargo para combater a corrupção, um papel executivo para o que fazia no Judiciário. 

Ao deixar o governo, as supressões de ações contra a corrupção foram declaradas como o motivo de desistir do cargo. Medeiros terá que ponderar esses impasses para tentar continuar a carreira política a partir de 2023. 

Ele diz que tem lidado com a “agonia de cada dia” e espera um acordo do Podemos para tentar se manter no partido e o apoio a Bolsonaro. A exposição dele é maior por estar na presidência do Podemos em Mato Grosso, Estado do agronegócio, o setor econômico majoritariamente bolsonarista. 

“A minha posição em relação ao presidente é anterior às filiações do Moro e do Dellagnol, que, aliás, nem se filiaram ainda. Minha posição é clara, bem definida. [Mas,] eu não penso em deixar o Podemos, não é uma opção em discussão”, afirmou.    

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMercado financeiro eleva projeção da inflação para 9,33%
Próximo artigoCaso Isadora: mãe consegue guarda e avô tem até amanhã para devolver a criança