Polícia salva criança obrigada pela mãe a se prostituir e a vender drogas

Mãe fazia a menina de 11 anos ter relações com vários homens em troca de dinheiro, que ela usava para comprar drogas

Imagem ilustrativa

Uma mulher de 32 anos foi presa nessa quarta-feira (29) acusada de sequestrar e manter a filha, de 11 anos, em cárcere privado, além de obrigar a menina a se prostituir e a vender drogas. O caso aconteceu em Confresa (1.160 km de Cuiabá).

Segundo a Polícia Judiciária Civil, primeiro a mãe da menina registrou um boletim de ocorrência no domingo (26) dizendo que na sexta-feira (24) ela havia fugido de casa, no Bairro São Geraldo, em Porto Alegre do Norte (1.140 km de Cuiabá), após uma discussão com a mãe e havia desaparecido.

No domingo (26), porém, a menina teria ido até em casa num momento em que a mãe tinha saído para procurá-la, pegado algumas roupas, e saído novamente.

Desde a denúncia, a Polícia Civil vinha investigando o caso. Nessa quarta-feira (29) recebeu informações de familiares de que a menina estava no Bairro Jockey Clube, em Confresa, sendo mantida em cárcere privado e sendo obrigada a vender drogas.

Uma equipe da PJC foi até o local indicado na denúncia e encontrou a menina, que contou que a mãe a tinha obrigado a entrar em um carro e a levou até Confresa, onde, sob ameaça, a vinha mantendo em cárcere privado.

Em Confresa, a mãe também vinha obrigando a filha a manter relações sexuais com vários homens, em troca de dinheiro. A mãe usava o dinheiro para comprar drogas, que depois fazia a filha vender, sob a ameaça de matá-la caso não obedecesse às ordens.

A mãe foi presa e encaminhada para a Delegacia de Confresa, onde foi interrogada e autuada em flagrante por sequestro e cárcere privado, exploração sexual infantil e tráfico de drogas, além de falsa identidade, uma vez que se apresentou com outro nome aos policiais.

A suspeita possui passagens criminais anteriores, já tendo sido presa por furto em 2019 e estava em liberdade provisória.

“Diante da gravidade dos crimes cometidos, de ter submetido criança a se explorar sexualmente, aliado ao tráfico de drogas e ao sequestro, foi representado pela conversão da prisão em flagrante da suspeita em preventiva”, disse o delegado Allan Vitor Sousa da Mata, que estava investigando o caso. (Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorIsolados sim, sem formatura jamais: empresas reinventam cerimônias
Próximo artigoAções de Marketing: Filtro x Engajamento