Polícia procura homem que espancou e desfigurou rosto de companheira em MT

Polícia divulgou a imagem do agressor, para que a população ajude a encontrá-lo

Divulgação / PMMT

Um homem de 21 anos, identificado como Gustavo Duarte, está sendo procurado pela Polícia Militar em Nova Canaã do Norte (680 km de Cuiabá) por espancar sua companheira de 18 anos a ponto de deixá-la com o rosto desfigurado.

A violência aconteceu na residência do casal, no Bairro Residencial Santa Terezinha, em Nova Canaã do Norte, por volta das 21 horas dessa segunda-feira (9).

A Polícia Militar foi acionada por um enfermeiro do Posto de Saúde Municipal após o hospital receber um chamado de que havia uma mulher vítima de violência doméstica muito machucada e na rua.

Os policiais, então, foram até o endereço indicado na denúncia e encontraram uma jovem de 18 anos muito ensanguentada e com diversas escoriações e hematomas graves no rosto.

A vítima estava consciente, mas com muita dor. Questionada, ela conseguiu dizer que quem a havia deixado daquele jeito era seu companheiro, mas não conseguiu dar detalhes das agressões.

Os militares levaram a mulher para receber socorro médico em um Pronto Atendimento e ela precisou ser encaminhada para o Hospital Regional de Colíder, devido à gravidade dos machucados.

A equipe policial fez rondas pela região, mas não encontrou o suspeito. Desde então, diante da gravidade do estado da vítima, a polícia está divulgando uma foto do suspeito para que ele seja localizado e preso.

A jovem segue internada no hospital e todas as equipes da Polícia Militar de Nova Canaã do Norte estão em busca do acusado.

Quem tiver qualquer informação que possa levar ao paradeiro dele pode ligar nos números: 0800-65-3939 ou 190.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLíder do MBL terá que pagar R$ 45 mil por ofensas a jornalista da Globo
Próximo artigoPresidente do Supremo crítica excessiva judicialização no Brasil