Polícia prende quadrilha que tinha um disque-entrega de drogas em Cuiabá

A quadrilha entregava as drogas nos arredores de escolas, faculdades, bairros de classe média-alta, condomínios de luxo e até no Centro Político Administrativo

Foto: PJC-MT

A Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE), da Polícia Judiciária Civil, deflagrou na manhã desta quarta-feira (11), a operação “Deliveryman”, com objetivo de dar cumprimento a 24 ordens judiciais, entre mandados de busca e apreensão e de prisão, relacionados à venda de drogas, na modalidade “disque entrega”.

Os mandados judiciais, sendo oito ordens de prisão e 16 de busca e apreensão, foram expedidos pela 13ª Vara Especializada de Delitos Tóxicos de Cuiabá e são cumpridos nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande, visando à desarticulação do grupo envolvido com o esquema.

Além dos mandados, foi pedido pelo bloqueio judicial de mais de R$ 50 mil das contas dos investigados e o trabalho de buscas visa à apreensão de bens adquiridos com atividade ilícita.

A ação conta com a participação de 64 policiais civis da DRE, Gerência Estadual de Polinter e Capturas (Gepol) e Gerência de Operações Especiais (GOE).

As investigações iniciaram no mês de junho deste ano, após análise de denúncias sobre a comercialização de entorpecentes em sistema “delivery”, quando o usuário solicita a substância por telefone e recebe no local combinado para entrega.

Durante as investigações, foi constatada a intensa comercialização de drogas nessa modalidade, demonstrando que as entregas eram realizadas nos arredores de escolas, faculdades, bairros de classe média-alta, condomínios de luxo, Centro Político Administrativo, motéis, restaurantes, entre outros locais.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTSE determina novas eleições para senador em Mato Grosso
Próximo artigo“Sem nenhuma alegria”