Polícia Penal apreende 33 celulares durante revista na penitenciária Mata Grande

Também foram apreendidas quatro porções de substancia semelhante à maconha, 15 de pasta base de cocaína e uma de haxixe

(Foto: divulgação)

Policiais penais apeenderam 33 smartphones na Penitenciária Major PM Eldo de Sá Corrêa, a Mata Grande, em Rondonópolis (315 km de Cuiabá), durante operação Corpus Christi, realizada nesta segunda-feira (13).

A operação faz parte das medidas adotadas pelo Sistema Penitenciário para impedir a entrada e a permanência de celulares e outros ilícitos nas unidades do Estado. A meta é acabar com os casos de crimes praticados por reeducandos a partir da penitenciária via redes sociais e telefonemas.

O diretor da Mata Grande, Ailton Ferreira, destacou que, mesmo com todos os procedimentos de prevenção realizados, ainda são feitas grandes apreensões nos raios da unidade, assim como ocorreu nesta segunda.

“As organizações criminosas utilizam de diferentes métodos e meios para entregar itens proibidos aos reeducandos, como: transporte via drones, lançamentos de pacotes sob as muralhas e até o envolvimento de recuperandos que realizam trabalhos extramuros”.

Ailton lembra que diariamente, os policiais realizam revistas minuciosas em busca de celulares e drogas escondidos em compartimentos secretos nas celas. “Além disso, fazemos vistoria utilizando cães farejadores, aparelhos de scanner corporal, além de manter um rígido controle de entrada e saída de público e servidores”.

Conforme o balanço, também foram apreendidos quatro carregadores, quatro fones de ouvido, cinco chips, quatro porções de substância semelhante à maconha, 15 de pasta base de cocaína e uma de haxixe.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Sonhamos em implantar o socialismo no Brasil”, diz ex-presidente Dilma
Próximo artigoNova concessão da BR-163 em Mato Grosso pode demorar mais de dois anos