Polícia pede prisão preventiva de filho do fundador das Casas Bahia

O empresário Saul Klein é acusado por crimes sexuais contra ao menos 14 mulheres

(foto: reprodução)

O empresário Saul Klein, de 68 anos, filho do fundador das Casas Bahia, Samuel Klein, foi indiciado, nessa quinta-feira (28), pela Policia Civil de São Paulo, por ao menos oito crimes sexuais.

Os crimes seriam tráfico de pessoas, estupro, estupro de vulnerável, por favorecer a prostituição e manter casa de prostituição e por reduzir mulheres à condição análoga à escravidão. Veja a reportagem completa.

Ao menos 14 mulheres

De acordo com uma reportagem do portal Uol, o empresário teria vitimado ao menos 14 mulheres (em sua maioria menores de idade), em diversas regiões do país.

Investigação e Pedido de prisão

A delegada Priscila Camargo Campos Gonçalves, da Delegacia de Defesa da Mulher de Barueri, pediu a prisão preventiva do empresário e outras nove pessoas.

A investigação sobre o caso começou em 2020, a pedido do MP, após o recebimento de denúncias de estupro, tráfico de pessoas e favorecimento à prostituição.

Versão de Samuel

Em nota, a defesa de Saul Klein afirmou que o empresário jamais cometeu crime sexual algum e irá recorrer na justiça por sua honra.

Leia a nota

“Saul Klein reafirma que nunca cometeu crime algum. O indiciamento divulgado hoje é um ato discricionário da Autoridade Policial que não vincula os demais atores processuais.

Saul e sua Defesa Técnica respeitam o posicionamento da Delegada Titular da Delegacia de Defesa da Mulher de Barueri mas entendem que a análise atenta e isenta dos elementos colhidos na investigação levará o Ministério Público e o Judiciário a concluírem por sua inocência.

Atenciosamente,
André Boiani e Azevedo”

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVídeo | Ciro Gomes é recebido com vaias em feira de agronegócio
Próximo artigoComissão de Anistia nega indenizar Dilma em R$ 10,7 mil mensais por suposta perseguição na Ditadura