Polícia Federal vasculha gabinetes de deputados na ALMT

Um dos alvos dos agentes federais seria o gabinete do deputado estadual e empresário do ramo de construção, Ondanir Bortolini, o "Nininho"

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Pelo menos dois deputados estaduais de Mato Grosso são alvos de operação deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quarta-feira (09), em Cuiabá.

Um dos alvos dos agentes federais seria o gabinete do deputado estadual e empresário do ramo de construção, Ondanir Bortolini, o “Nininho” (PSD).

Dilmar Dal Bosco (DEM) Romoaldo Júnior (MDB) seriam os outros deputados alvos da operação, batizada de “Chapéu de Palha”. O ex-deputado Mauro Savi também foi alvo de mandado de busca e apreensão.

Inúmeras equipes da Polícia Federal estão sendo empregadas para cumprir mandados de busca e apreensão, que não se restringem ao prédio da Assembleia Legslativa de Mato Grosso.

Segundo a Polícia Federal, o objetivo da operação é “colher provas para a investigação que apura fraudes à licitação e pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos”. O LIVRE apurou que estariam sendo investigados contratos da AL firmados com setor de eventos a partir de 2013.

Estão sendo cumpridos 39 mandados de busca e apreensão em vários municípios de Mato Grosso (Rondonópolis, Cuiabá, Várzea Grande, Sinop, Alto Taquari, Itiquira, Juscimeira, Jaciara, São Pedro da Cipa, Dom Aquino, Alta Floresta) e Votuporanga/SP.

Ao todo, foram empregados mais de 130 policiais federais no cumprimento das ordens judiciais.

A Controladoria Geral da União (CGU) participou da fase preliminar de levantamento das informações.

Mais detalhes sobre a investigação não podem ser fornecidos, segundo a Polícia Federal, considerando o segredo de justiça imposto nos autos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícia Federal investiga desvio de recursos públicos do Into
Próximo artigoPreços em alta: 2021 deve começar mais caro para os brasileiros