Polícia caça quadrilha especializada em roubos na fronteira de MT

Eles faziam roubos em propriedades rurais em que os moradores eram feitos refém por várias horas

Foto: Polícia Civil

Vinte ordens judiciais, sendo 10 de prisão e 10 de busca e apreensão domiciliar, são cumpridas pela Polícia Civil na manhã desta terça-feira (09) na operação Tríplice, deflagrada para desarticulação de um grupo criminoso envolvido em roubos em propriedades rurais na região de fronteira.

Dos 10 mandados de prisão deferidos pela Justiça, dois deles serão cumpridos em unidades penitenciárias do estado de Mato Grosso, onde os suspeitos já estão detidos. As demais ordens judiciais são cumpridas na cidade de Araputanga.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Edison Ricardo Pick, a operação é  resultado do amplo trabalho investigativo realizado em conjunto entre as Delegacias de São José dos Quatro Marcos, Araputanga, Rio Branco, Jauru, Pontes e Lacerda, bem como com o apoio da Delegacia Especial de Fronteira (Defron), que conseguiram desarticular os alvos identificados.

As investigações apontaram que o grupo está envolvido em pelo menos quatro roubos ocorridos nos municípios de Araputanga e Rio Branco. Nas ações criminosas, os suspeitos, durante a noite e início da manhã, invadem as propriedades, com uso de arma de fogo, geralmente utilizando máscaras ou tecido para tapar o rosto.

Após render as vítimas, os criminosos mantém os moradores em cárcere, sob graves ameaças de morte, por várias horas, enquanto outros integrantes fogem subtraindo diversos objetos, principalmente caminhonetes, que são levadas para Bolívia, geralmente passando por estradas alternativas de Glória D’Oeste e Porto Esperidião.

A partir das informações coletadas na investigação, modus operandi, análise de dados e das descrições fornecidas pelas vítimas, foi possível identificar integrantes da associação criminosa armada, sendo representado os mandados de prisão e de busca e apreensão domiciliar contra os criminosos.

“Durante as investigações ficou comprovado que os investigados se associaram com o fim específico de praticar roubos qualificados com emprego de arma de fogo, concurso de pessoas, para subtração de veículos, através da restrição de liberdade das vítimas. Os integrantes do bando mostraram-se muito violentos, mantendo as vítimas em cárcere por várias horas, mediante uso de arma de fogo, constantemente com ameaças de morte”, disse Edison Pick.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCentro histórico passa pela sua pior fase, afirma historiador
Próximo artigoSanto Antônio de Leverger proíbe festas de Carnaval