Polícia apreende documentos no interior de MT por suposta fraude de R$ 70 milhões

Investigação com origem no Distrito Federal identifica golpes financeiros aplicados por empresas de saúde

Foto: Divulgação / Governo do Rio de Janeiro

A Polícia Civil cumpriu mandados de busca e apreensão nos municípios de Cáceres e Mirassol D’ Oeste, ambos localizados no interior de Mato Grosso, em decorrência de uma operação policial deflagrada originalmente no Distrito Federal (DF) relacionada a fraudes em planos de saúde.

A operação foi batizada de “Loki”, o pai da mentira, na mitologia nórdica. Ao todo, foram mobilizados 150 policiais. Os crimes investigados são falsidade ideológica, falsificação de documentos, apropriação indébita, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Não foi revelado o nome da operadora de plano de saúde investigada por fraudes. A única informação disponibilizada é que atua no Centro-Oeste e em Tocantins e conta com 55 mil associados.

A suspeita é de que o esquema ilegal tenha movimentado até R$ 70 milhões. Ao todo, foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão em Águas Claras, Setor de Indústrias e Abastecimento, Gama, Guará, Riacho Fundo, todos do Distrito Federal (DF).

Também houve busca e apreensão em Goiás (Luziânia e Rio Verde) e em Rondônia (Porto Velho).

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) – órgão responsável por fiscalizar planos de saúde – identificou a prática criminosa e acionou os investigadores. De acordo com a Polícia Civil, entre 2013 e 2018, diretores, contadores e funcionários de uma operadora do benefício desviaram valores milionários de contas bancárias de planos de saúde.

As quantias eram repassadas a empresas vinculadas a amigos e familiares dos dirigentes.

As transações, de acordo com as investigaçõesa, eram feitas sem contratos formais e sem emissão de notas fiscais, “que dessem suporte às transações, que justificassem eventuais serviços prestados ou produtos adquiridos”.

A Polícia Civil do Distrito Federal identificou 380 mil movimentações bancárias e fiscais da operadora de plano de saúde, de empresas e pessoas envolvidas com indícios de fraude. Foram identificadas divergências na documentação contábil dos envolvidos, além de transações incompatíveis com o faturamento.

Nesse período, a investigação apontou transações financeiras de quase R$ 3 milhões feitas para microempresas destinadas a prestação de serviços de chaveiro. Além disso, os suspeitos ainda teriam feito trâmites financeiros com empresas do ramo agropecuário e da cana de açúcar, sem qualquer vínculo com a atividade desenvolvida pelo plano de saúde.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá inicia vacinação contra a covid-19
Próximo artigoMauro Mendes veta isenção de descontos da Previdência a servidores aposentados