PM e entidades fazem blitz “Unidas Pela Vida” pelo fim da violência contra a mulher

Da Praça da República os policiais seguirão a pé até a Praça Ipiranga entregando o material e lembrando a população da importância de denunciar todas as formas de violência contra a mulher

Nesta sexta-feira (21), desde as 08 horas, está sendo realizada em Cuiabá a blitz “Unidas Pela Vida”. Essa é uma ação pelo fim da violência contra a mulher e integra a programação do Agosto Lilás, o mês adotado como um marco para lembrar e intensificar as ações permanentes contra a violência à mulher.

Policiais que compõem a Patrulha Maria da Penha, da Polícia Militar, se concentram na Praça da República, onde estão realizando a entrega de uma cartilha de orientação e de máscaras de proteção facial trazendo um laço lilás e a frase: “Não se cale”.

Da Praça da República os policiais seguirão a pé até a Praça Ipiranga entregando o material e lembrando a população da importância de denunciar todas as formas de violência contra a mulher.

Idealizada pela Polícia Militar, por meio da Patrulha Maria da Penha, do 1º Comando Regional, essa ação tem como parceiros a Secretaria Municipal da Mulher, o Conselho Municipal da Mulher, e o apoio da Semob.

Depois de concluir a blitz na área central, as equipes da PM e dos órgãos parceiros seguirão para o bairro Pedra 90, precisamente a Praça Caic, onde serão desenvolvidas atividades similares.

Violentrômetro

Durante essas ações, todos que foram abordados, mulheres e homens, terão acesso ao Violentômetro, um medidor com três níveis de violência e alerta sobre a necessidade de reconhecer os primeiros sinais e de denunciar se estiver sendo vítima.

A medição da violência começa com chantagens, ciúmes excessivos, proibições e controle do comportamento, passando pela destruição de bens pessoais e empurrões, por exemplo, até ameaças com armas e, infelizmente, os feminicídios.

‘NÃO SE CALE’, denuncie: 190, (65)3901-4277 (Delegacia Especializada de Defesa da Mulher), e (65) 3613-8200 e 98463-6782 (Núcleo de Defesa da Mulher da Defensoria Pública).

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRenda dos mato-grossenses encolheu em julho, aponta IBGE
Próximo artigoMínima de 11ºC: albergues já não têm vagas para abrigar quem vive nas ruas