PJC cumpre 16 mandados contra envolvidos no latrocínio de servidor aposentado da Sefaz

O corpo de Nicomedes Francisco Pinto Lopes, 69 anos, foi encontrado quatro dias após o crime, às margens da Rodovia Arquiteto Helder Cândia, em Cuiabá

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

A Polícia Civil deflagrou nesta terça-feira 1º a Operação Omertá para cumprimento de 16 mandados judiciais de prisão preventiva e de busca e apreensão contra oito pessoas investigadas pelo crime de roubo seguido de morte contra o servidor aposentado da Sefaz Nicomedes Francisco Pinto Lopes, 69 anos.

O corpo do aposentado foi encontrado quatro dias após o crime, às margens da Rodovia Arquiteto Helder Cândia, em Cuiabá.

Os mandados são cumpridos pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos da Capital, com apoio da Delegacia de Chapada dos Guimarães e do Ciopaer, nas duas cidades.

A operação tem como alvos seis homens e duas mulheres identificadas nas investigações realizadas pela Polícia Civil como envolvidos no crime que vitimou o aposentado de 69 anos, que morava em Chapada dos Guimarães. As ordens judiciais foram expedidas pelo juízo da 6ª Vara Criminal de Cuiabá.

Crime

O corpo de Nicomedes Lopes foi encontrado na manhã do dia 25 de março, nas proximidades do Distrito da Guia, em uma estrada que dá acesso a uma empresa da região. O aposentado apresentava duas perfurações de arma de fogo.

O crime ocorreu na noite de 21 de março, no bairro Pôr do Sol, em Chapada dos Guimarães. Assim que foi acionada na manhã de segunda-feira (22) pelos filhos da vítima, os policiais civis do município iniciaram as diligências para apurar os fatos que, inicialmente, foram tratados como extorsão e desaparecimento.

Conforme as apurações realizadas, um dos filhos de Nicomedes recebeu uma mensagem no celular informando sobre uma transferência da conta bancária de seu pai, por meio de PIX, no valor R$ 4,9 mil, para a conta de uma mulher.

Estranhando a transação, o filho entrou em contato com o pai pelo aplicativo Whatsapp perguntando sobre outro assunto, para não ser direto, porém, a mensagem foi visualizada e não foi respondida. Ele então tentou telefonou para a vítima, mas conseguiu contato.

Ao longo da segunda-feira (22), a Polícia Civil identificou que os criminosos fizeram outras compras com os cartões da vítima, algumas em valores altos totalizando R$ 8 mil em duas transações e outras compras menores realizadas em cartão de débito.

Desconfiado, o filho foi até a casa do pai e ao chegar viu que a residência estava trancada e o cachorro amarrado, o que não era costume. O veículo da vítima, um modelo Jeep Renegade, também não estava na casa e foi encontrada uma escada encostada ao muro, onde havia marcas de pegadas de botas.

Durante a investigação, a Delegacia de Chapada dos Guimarães solicitou apoio da Gerência de Combate ao Crime Organizado, por haver a suspeita de um possível sequestro.

Indícios

O carro da vítima foi encontrado pela Polícia Militar abandonado, no bairro Jardim Vitória, na Capital.

A investigação chegou a um casal, na noite de quarta-feira (24), no bairro Jardim União, em Cuiabá, que estava com parte dos produtos roubados da vítima, um aparelho celular modelo Iphone 8 e uma televisão de 50 polegadas. A mulher de 28 anos e o homem de 31 foram detidos pelos crimes de associação criminosa e receptação.

Durante as diligências sequentes, a Polícia Civil identificou um segundo casal, que recebeu as transferências dos valores feitas da conta da vítima. Os suspeitos foram localizados e confessaram ter recebido R$ 4,9 mil a mando de um grupo criminoso.

As investigações apuraram a participação de outros envolvidos no crime e, com os indícios coletados, o delegado de Chapada dos Guimarães, Alexandre Nazareth, representou à Justiça pela prisão dos suspeitos.

Contudo, o juízo da Comarca do município declinou da competência e entendeu que o crime ocorreu no município de Cuiabá, remetendo o caso para a Capital. A Delegacia de Roubos e Furtos deu sequência ao inquérito instaurado.

Operação

Omertà é um termo da língua napolitana que define um código de honra de organizações mafiosas do sul da Itália. Fundamenta-se em um forte sentido de família e voto de silêncio, seja em direta relação pessoal em atos criminosos, como quando os fatos envolvem terceiros.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMobilidade internacional
Próximo artigoO futuro do self-service: restaurantes “seguram as pontas” na pandemia, mas até quando?