Pesquisadores buscam interessados em participar de estudo sobre hábitos alimentares

O acompanhamento será feito por dez anos. Saiba como participar!

(Foto: Agência Brasil)

Uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) quer identificar padrões de alimentação praticados em diversas regiões do país. Ao mesmo tempo, vai analisar a relação deles com o risco de doenças crônicas que afetam os brasileiros.

De acordo com informações da Agência Brasil, o acompanhamento será feito por dez anos. E ao todo, 200 mil brasileiros informarão sobre seus hábitos alimentares.

Pesquisadores estão em busca de pessoas que queiram participar do estudo. Para isso, é preciso ter pelo menos 18 anos, residir no Brasil, ter acesso à internet e fazer um rápido cadastro na plataforma digital da pesquisa.

Subsídio para políticas públicas

O estudo, chamado NutriNet Brasil, será coordenado pelo Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP em parceria com o Ministério da Saúde.

“A alimentação inadequada lidera o ranking dos fatores de risco relacionados à carga global de doenças no mundo. É o fator de risco que mais contribui para mortalidade”, destacou a coordenadora de Alimentação e Nutrição da Secretaria de Atenção Primária, do Ministério da Saúde, Gisele Bortolini.

De acordo com a coordenadora, a alimentação também é o segundo fator que mais contribui para a perda de anos de vida, superando, inclusive, o uso de álcool, drogas, tabagismo e inatividade física. “Nesse sentido, o estudo NutriNet Brasil nos apoiará no aprimoramento das políticas públicas de nutrição no país”, ressaltou.

Risco de doenças

Segundo o Ministério da Saúde, a alimentação exerce enorme influência sobre a saúde das pessoas, aumentando, em particular, o risco para o desenvolvimento de diversos tipos de câncer, doenças cardiovasculares e enfermidades como obesidade, diabetes e hipertensão.

“Mais do que um ou outro alimento isolado, é o padrão de alimentação das pessoas, ou as quantidades e proporções dos diferentes grupos de alimentos, que vai definir o risco de doenças. O levantamento trará maior compreensão sobre tais hábitos e suas consequências”, destacou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEstudantes de Mato Grosso plantam 500 árvores para reflorestar áreas de nascentes
Próximo artigoEdital para o Júlio Müller