Permínio Pinto delata Pedro Taques e diz que governador integrava esquema na Seduc

A informação foi divulgada em reportagem do jornal Folha de S. Paulo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O ex-secretário de Estado de Educação Permínio Pinto, preso em 2016 por operar um esquema de direcionamento de licitação e desvio de dinheiro de obras de escolas em Mato Grosso, teve sua delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), na qual afirma que fez tudo com a anuência – e até o incentivo – do governador Pedro Taques (PSDB). O objetivo dos desvios seria pagar dívidas da campanha eleitoral de 2014.

A informação foi divulgada em reportagem do jornal Folha de S. Paulo desta terça-feira (28), segundo a qual Permínio Pinto teria mensagens do governador pedindo para ele “facilitar licitações”.

[featured_paragraph]A narração de Permínio Pinto se junta agora à do empresário Alan Malouf, que também teve sua colaboração premiada homologada pelo Supremo. As duas delações foram homologadas pelo ministro Marco Aurélio de Mello.[/featured_paragraph]

Ambos acusam Pedro Taques de participação no esquema que resultou na Operação Rêmora, do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco-MPE/MT).

De acordo com as investigações, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) direcionava e superfaturava as licitações para que empresas que integravam o esquema se sagrassem vencedoras. Em troca, elas devolviam parte do lucro para o ex-secretário, para Malouf e servidores da Seduc.

Operação Rêmora

[related_news ids=”91256,89591,89964,89314″][/related_news]

Segundo o Gaeco, R$ 56 milhões em obras da Seduc estavam na mira da quadrilha. Como o esquema foi desbaratado no início, o governo estima que cerca de R$ 400 mil foram desviados.

O governador Pedro Taques nega todas as acusações. “Segundo ele, todas as movimentações financeiras da campanha de 2014 foram registradas e aprovadas pela Justiça Eleitoral”, diz a reportagem da Folha.

“O deputado federal Nilson Leitão (PSDB)” – também acusado por Permínio – “disse deixar à disposição da Justiça a quebra de seu sigilo e ressaltou que ao longo de toda sua vida pública nunca solicitou recursos ilícitos ou pediu para que alguém o fizesse em meu nome”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistro suspende proibição do ensino sobre sexualidade em Palmas
Próximo artigoSemana Literária movimenta a EE José Leite de Moraes

O LIVRE ADS