Performance teatral toma as ruas de Cuiabá e questiona: “quem controla a justiça?”

Theatro Fúria e coletivo Coma a Fronteira levam “A Justiça Poderes A Mim Conferidos” para a Praça da Mandioca no dia 29

Foto: Pedro Duarte

Uma figura feminina de olhos vendados segura uma balança e uma espada, com o controle para discernir um melhor juízo das coisas. A Justiça, personagem considerada indispensável para o enredo da democracia, é colocada nas ruas de Cuiabá em “A Justiça Dos Poderes A Mim Conferidos”, intervenção urbana do grupo Theatro Fúria, realizada em parceria com o coletivo Coma a Fronteira.

“A justiça tem muitas facetas e, na maioria delas, é vista como um ser incorruptível. A questão é que o acesso a ela está associado a um sistema gigantesco, marcado por pessoas, leis e burocracias. Todo esse sistema consegue fazer com que a justiça caminhe conforme caminham aqueles que conseguem se apropriar dele. Quem controla a justiça?”, questiona a perfomance de Carolina Argenta, Péricles Anarckos e Caio Ribeiro.

A Praça da Mandioca será palco da próxima apresentação, que ocorre no dia 29 de junho, sábado, às 22h. No Centro Histórico da capital, o local possui centenários de tradição em intervenções artísticas e culturais, de abrigo de experimentações do teatro contemporâneo a expressões populares, como o carnaval. Desta vez, a intervenção acontece no Leviana Bar.

“Uma intervenção urbana é a intervenção no cotidiano da uma cidade. Algo que existe para causar estranhamento, com o intuito de provocar a reflexão aos frequentadores do espaço. É uma maneira de fazer a cidade respirar, propondo uma ação, movimento ou manifestação num espaço onde geralmente as pessoas apenas repetem uma rotina”, explicam os artistas.

LEIA MAIS:
Artistas convocam passageiros à espera do ônibus: “escolha uma música e dance comigo”

Foto: Pedro Duarte

Estudo criativo

As pesquisas que resultaram em “A Justiça Dos Poderes A Mim Conferidos” começaram em 2016, a partir de um intercâmbio entre os grupos Theatro Fúria e Cia Aqueles Dois. No mesmo ano, a performance estreou no Revirado Cênico do Palco Giratório e, em 2017, foi apresentada no Festival de Monólogos e Breves Cenas de Vilhena.

Desde então, a peça tem sido ponto de partida de experimentações do Theatro Fúria que hoje investiga, juntamente com o artista Caio Ribeiro, integrante do Coma a Fronteira, o arquétipo da justiça em suas mais variadas formas e culturas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorIceberg
Próximo artigoMulher acusa marido de agredi-la e é desmentida pelo filho e pela mãe