Perdas para MT e preocupação com o futuro: demissão de Moro repercute entre a bancada federal

Foram poucos os parlamentares que estavam dispostos a comentar o assunto. E entre eles, o tom era de incertezas

(Foto: Assessoria)

O pedido de demissão de Sérgio Moro pegou muitos parlamentares mato-grossenses de surpresa. A sensação agora é de expectativa em relação quem substituirá o ex-juiz da Lava Jato, no comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Coordenador da bancada federal de Mato Grosso, o deputado Nery Geller (PP) afirmou que prefere permanecer neutro diante desta situação e aguardar como o presidente Jair Bolsonaro vai se comportar daqui para frente.

Bolsonaro anunciou que fará um pronunciamento oficial às 17h (horário de Brasília).

“Eu vou manter a cautela. O presidente Bolsonaro precisa montar uma equipe que seja coesa e que trabalhe pela convergência. É uma grande perda a saída do Moro. Vamos esperar como o presidente vai agir e ver quem ele vai colocar para comandar a Polícia Federal”.

Geller também ponderou que, se o presidente não tirar a autonomia da PF, “bola pra frente e vida que segue”. Mas ressaltou considerar inadmissível qualquer influência política na instituição. Para ele, o órgão não admitiria isso.

O deputado Emanuelzinho (PTB) afirmou que o dever da Câmara Federal, agora, é acompanhar de perto a independência da PF e de outras instituições. Por outro lado, avaliou como negativa a saída de Moro uma semana depois da demissão do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

“É temerária a troca de dois dos principais ministros num período de crise. Não é sinal de algo positivo. No entanto, espero que o próximo ministro da Justiça traga bons frutos para a nação”, pontou.

Oposição cobra explicações

A deputada federal Rosa Neide (PT) publicou nota pedindo que Moro relate as motivações do presidente ao tentar “interferir politicamente” – conforme afirmado pelo ministro em pronunciamento na manhã desta sexta-feira (24) – na Polícia Federal.

“Os relatos do ministro em sua coletiva de imprensa deixam claro, além das interferências políticas e crimes potencialmente cometidos pelo presidente, que ele, o próprio ministro prevaricou ao não relatar e denunciar claramente quais são as causas das sucessivas tentativas de interferência do presidente sobre a Polícia Federal”.

Rosa Neide afirmou ainda que Sérgio Moro “interferiu ilegalmente nas eleições de 2018, perseguindo o PT e o ex-presidente Lula para facilitar a eleição de Bolsonaro”, e que o cargo de ministro da Justiça teria sido uma “recompensa”.

“A autonomia da Polícia Federal e das instituições de controle e enfrentamento à corrupção foram conquistas dos governos do PT e, como o relato de Moro, a destruição dessas instituições foi encomendada por Bolsonaro e aceita até aqui, por Moro”, disse a deputada.

Rosa Neide afirmou também que Bolsonaro quer “usar a PF para salvar a si mesmo, seus filhos e seus apoiadores criminosos”.

“Contava com o silêncio de Sérgio Moro durante todo este tempo, agora precisamos saber muito mais, já que o ex-juiz parcial e agora ex-ministro prometeu falar”, pontuou.

Deputada federal Rosa Neide (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Perdas para Mato Grosso

No Senado, a preocupação dos representantes de Mato Grosso são os possíveis reflexos da saída de Sérgio Moro em ações que vinham sendo desenvolvidas no Estado. Em nota, o senador Wellington Fagundes (PL) citou investimentos na segurança da fronteira e o trabalho integrado entre as Polícias Federal e Rodoviária Federal com as Militar e Civil.

“Trata-se, portanto, de uma grande perda para nosso Estado. Fica nossa expectativa de que o governo mantenha a política de ação desenvolvida de combate aos crimes transnacionais”, pontuou Fagundes, que é relator do orçamento de Justiça e Defesa.

Já Carlos Fávaro (PSD), recém empossado na vaga que foi Selma Arruda (Podemos), disse esperar que as denúncias feitas pelo ex-ministro não se confirmem, caso contrário, na avaliação dele, seria um sinal de que a democracia brasileira está em retrocesso.

“Temos que manter uma Polícia Federal independente e sólida no combate à violência e aos crimes de corrupção. É isso que nossa sociedade espera dos governantes”, afirmou, pontuando ter sido “belíssimo” o trabalho de Moro no combate à corrupção.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMédicas avaliam projeção de platô de contágio e alertam para medidas de proteção
Próximo artigo“Relação conflituosa”

O LIVRE ADS