Pedro Taques chega a convenção e nega que haja debandada de sua coligação

    Candidatura à reeleição foi oficializada em convenção tucana na manhã deste domingo (05)

    (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

    Com a fanfarra abrindo caminho entre militantes que aclamavam sua chegada com o grito de guerra “é Pedro Taques vice Rui Padro, esse é o governo que eu quero pro Estado”, o governador Pedro Taques (PSDB) chegou ao Hotel Fazenda Mato Grosso na manhã deste domingo (05) para oficializar seu nome na disputa pela reeleição.

    Num empurra-empurra na porta do hotel, com a imprensa disputando espaço com militantes e seguranças, Pedro Taques negou que sua coligação esteja enfraquecida ao ter optado por um candidato a vice do mesmo partido, no caso o produtor rural Rui Prado.

    “Chapa pura mostra fortalecimento e não enfraquecimento. E não existe debandada, prova disso são as alianças aqui”, afirmou.

    Convenção

    A convenção do PSDB iniciou com um vídeo sobre o ex-governador tucano Dante de Oliveira, eleito em 1994 e reeleito em 1998, mesmo em meio à crise política do seu governo. A primeira a discursar foi a juíza aposentada Selma Arruda (PSL), candidata a senadora pela coligação, que fez questão de ressaltar a união entre os partidos aliados.

    “É com essa união que chegaremos lá. Acredito muito nessa união”. Ela agradeceu ao companheiro de chapa Nilson Leitão (PSDB), que também será candidato a senador. “Estamos com o agro muito bem representado. O vice Rui Prado também representa muito bem o agronegócio”, disse.

    A candidata elogiou o governador. “Taques pegou o estado no pior momento, em um momento de corrupção. Quero ver quem faria melhor que Pedro fez”, disparou Selma, que determinou a prisão do ex-governador Silval Barbosa, em 2015. “Minha campanha não vai ser só no combate à corrupção. Quero que Mato Grosso receba muito mais tributos. Vamos retomar os princípios éticos e familiares”, afirmou.

    Logo depois do discurso dela apresentaram um vídeo, ressaltando o trabalho como juíza e dizendo que tem que ser senadora para continuar a luta contra a corrupção

    Reeleição

    Pedro Taques se elegeu governador em 2014, no primeiro turno, com 833 mil votos. À época, ele estava no PDT, sigla em que iniciou sua carreira política como senador, quatro anos antes. Em 2015, com o fim da fidelidade partidária para governadores, ele se filiou ao PSDB.

    Quando conquistou o governo, Taques tinha uma coligação com 13 partidos: PDT, PP, DEM, PSDB, PSB, PPS, PV, PTB, PSDC, PSC, PRP, PSL e PRB. Depois de crises políticas, sua base sofreu baixas e os dissidentes lançaram a candidatura do ex-aliado Mauro Mendes (DEM) para concorrer com ele.

    (Atualizada às 11h40)

     

    Use este espaço apenas para a comunicação de erros





    Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Artigo anteriorReceita alerta para “golpe do amor” com falso envio de presentes
    Próximo artigoPrazo para escolha dos candidatos nas eleições 2018 termina hoje