PEC que altera o CNMP é derrotada mesmo com 5 votos de deputados de MT

Trâmite foi encerrado na Câmara Federal por falta de cinco votos após polêmicas que envolveu a proposta de mudança na composição do Conselho Nacional dos Ministérios Públicos (CNMP)

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 5 que alteraria a composição do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) foi derrotada na Câmara Federal nessa quarta-feira (20). 

O texto teve o trâmite encerrado por falta de 11 votos. Houve 297 votos a favor e 182 contras e 4 abstenções. Os deputados federais da bancada de Mato Grosso votaram na maioria pela continuação da PEC. 

Sete dos oito parlamentares registraram voto. Foram a favor Carlos Bezerra (MDB), Nelson Barbudo (PSL), Rosa Neide (PT), Neri Geller (PP) e Emanuel Pinheiro Neto (PTB).  

Votaram contra José Medeiros (Podemos) e Juarez Costa (MDB). 

A falta de votos para aprovação representou derrota para o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP). Ele adiou a pauta da proposta por três vezes, desde a semana passada. 

A PEC recebeu várias críticas de membros de ministérios públicos no Brasil, principalmente pela proposta que autorizava o CNMP a revisar atos de promotores e procuradores de Justiça.  

O procurador-geral do Ministério Público de Mato Grosso, José Antônio Borges, disse que as ações do órgão passariam a ser censurados administrativamente e investigações poderiam ser barradas. 

Texto original 

Com o resultado, o plenário agora deve analisar o texto original da PEC apresentado pelo deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que mantém a composição do CNMP em 14 membros mas acaba com a vaga nata do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.  

No lugar, a Câmara dos Deputados e o Senado vão eleger mais um conselheiro, que deverá ser membro do Ministério Público. Já o corregedor nacional do Ministério Público poderá provir de fora do Ministério Público. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVice defende Emanuel Pinheiro, mas pede análise de contratações na Saúde
Próximo artigoCom maioria na Câmara Municipal, Emanuel pode se ‘esquivar’ de investigação