Paulo Pires expõe obras inéditas em “Amor de Pedra”

Exposição revela subjetividades humanos, como o amor e o desejo, esculpidos em pedra

O amigo e fotógrafo José Medeiros assina as imagens de divulgação da exposição

Com trabalho inconfundível, Paulo Pires apresenta obras inéditas em exposição na Casa do Parque, que terá cerimônia de abertura nesta quinta-feira (26), às 19h. A classificação indicativa é de 16 anos e a entrada é franca.

Em “Amor de Pedra” – nome dado à mostra – o artista nascido em Poxoréo transpõe para os blocos de pedra de arenito, sentimentos e desejos, revelando a poesia e o movimento nas formas que esculpe com precisão. Há um certo ar de inacabado, mas isto dá ainda mais modernidade e vigor às obras que costumam retratar situações.

A crítica de arte e entusiasta do trabalho do artista disse certa vez: “É um trabalho universal, não há territorialidade na arte de Paulo Pires”.

Sequências de corpos se emaranham nas obras do artista. “É um jogo de formas, nem tudo é o que parece ser. Gosto de brincar com a imaginação da pessoa e de desafiar o olhar. Depois a pessoa acaba percebendo que a forma não era aquilo que ela imaginou”, relata Pires.

Para criar o artista primeiro observa a multidão. “Gosto de sentar em praças e locais públicos e ficar analisando as pessoas nas ruas. Tento entrar no pensamento delas e sentir o que elas sentem. Minhas esculturas sempre tratam do desejo. Esse desejo impresso na pedra sempre é a questão do desejo do outro, como uma viagem ao corpo alheio”, explica.

A pedra de arenito é a base de suas esculturas e define inclusive a moradia do escultor, que hoje vive próximo a região de Rondonópolis. “Aqui tem bastante arenito, mas penso, em um futuro próximo, em ir morar em Pontes e Lacerda, pois é uma região que me atrai muito e também tem muito arenito. Estar perto desse material é muito importante para mim”.

Paulo Pires começou no mundo dar artes ainda criança. O artista autoditada foi um talento revelado por uma professora do ensino fundamental. Curiosa com a ausência do aluno, ela decidiu buscar a família da criança para questionar porque o menino passava tanto tempo alheio às aulas. Ao chegar na casa da família Pires, em Rolim de Moura (Rondônia), para onde sua família mudou na infância, a professora deparou-se com várias madeiras pintadas pelo garoto e encantou-se. Foi ela quem o estimulou a seguir pelo mundo das artes plásticas.

“Eu já tinha reprovado a segunda série por me sentir desestimulado. Hoje, vejo que isso foi até algo bom. Se eu não tivesse encontrado essa professora, não sei se teria seguido pelas artes. Ela me incentivou, me ajudou a fazer a primeira exposição e a vencer o primeiro salão de artes”, diz.

Ainda criança o escultor participou de quatro salões nos anos de 1980/90, em Rondônia, vencendo todos na categoria juvenil. O seu primeiro quadro, pintado aos nove anos com ajuda da professora, já trazia a os elementos de subjetividade tão característicos da obra de Pires.

“Era um grupo de crianças soltando pipas, mas não dava para vê-los. Era uma cena bem da minha infância, aquela gurizada soltando pipa no breu. Ninguém via o rosto, era apenas uma escuridão e o colorido eram as pipas e a segunda parte eram as casas de lona”, relembra.

A escultura entrou na vida do artista quando ele regressou o Mato Grosso. Já em Rondonópolis, Pires decidiu aventurar-se pela técnica de escultura em madeira, até que descobriu o arenito. “Foi uma questão de desafio. Eu adoro pintar, mas achava que estava me repetindo muito, então queria experimentar novos materiais”, diz.

Uma das grandes incentivadoras desse caminho foi a crítica de arte Aline Figueiredo. Em 2003, veio a exposição “Desejo de Pedra”, no Museu da Universidade Federal de Mato Grosso e novas premiações. O último salão de Paulo Pires foi o 13º Salão de  Artes Plásticas de Rondônia (Sart), onde ficou em terceiro lugar.

A idealizadora da A Casa do Parque, Flávia Salem, celebra a chegada desta exposição que vem de encontro aos seis anos de abertura da Casa do Parque: “A obra de Paulo Pires inspira! São formas extremamente sensuais, que despertam todos os sentidos sem vulgaridade alguma. Como diz artista – cada um pensa o que quiser – Gosto muito!”.

A Casa do Parque fica na rua Major Severino de Queiroz, 455, Duque de Caxias II.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Para decidir, falta a decisão”, diz Taques sobre reeleição
Próximo artigoAprovadas resoluções que facilitam a regularização tributária de micro e pequenas empresas