Paulo Guedes diz que governo vai investir R$ 700 bilhões no enfrentamento da crise

Segundo ele, o país enfrentará duas ondas: uma relacionada à saúde e outra ligada à  economia.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa do lançamento da nova linha de crédito imobiliário com taxa fixa da Caixa Econômica Federal - Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro da Economia Paulo Guedes disse, nesta sexta-feira (27), que serão investidos R$ 700 bilhões nos próximos três meses para fomentar a economia brasileira em razão da crise causada pela pandemia de coronavírus.

Segundo ele, o país enfrentará duas ondas: uma relacionada à saúde e outra ligada à  economia.

“Duas ondas enormes avançam em direção ao Brasil. A primeira já nos atingiu: é uma calamidade de saúde pública, que ameaça as nossas vidas. A segunda pode ser uma enorme onda, dependendo da nossa reação, que ameaça nossos empregos. Uma crise econômica como nunca sofremos antes”, disse.

Guedes está em isolamento em sua residência, no Rio de Janeiro, e aproveitou para gravar um vídeo, que foi compartilhado em suas redes sociais, esclarecendo pontos polêmicos de algumas medidas adotadas pelo Governo.

Ele afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não diminuiu a gravidade da doença, mas quis alertar sobre a crise econômica.

“Ele (Bolsonaro) não está de forma alguma diminuindo a ameaça da primeira onda. Ele está nos alertando que precisamos impedir a desorganização da economia brasileira, precisamos impedir uma crise de abastecimento no Brasil”, disse.

Segundo o ministro, o presidente afirmou que “nenhum brasileiro ficará para trás, que não vão faltar recursos para defender as cidades, a saúde e os empregos dos nossos brasileiros”.

Ele disse ainda que é necessário evitar que a organização da economia entre em “colapso”.

“Se não nos lembramos de que temos que continuar resistindo com a nossa produção econômica também, vamos ter aquele fenômeno onde todo mundo está com os recursos, mas as prateleiras estão vazias”.

“Começamos pelos vulneráveis”

Guedes também citou medidas que o governo está tomando para diminuir os efeitos econômicos da crise do coronavírus.

Segundo dele, nos próximos três meses cerca de R$ 700 bilhões serão injetados na economia.

“Nenhum brasileiro vai ficar para trás, nós vamos cuidar de todos e começamos justamente cuidando dos mais vulneráveis”, disse, ao se referir à antecipação de benefícios de aposentados e pensionistas e do ingresso de 1,2 milhão de famílias no Bolsa Família.

O ministro também citou o projeto que concede R$ 600 por três meses para autônomos e trabalhadores informais. “Lançamos uma rede de proteção a um mar de brasileiros valentes que lutam diariamente e foram desassistidos por décadas: são os autônomos, os informais que nunca pediram nada e que foram atingidos, pois as ruas estão vazias”, disse.

Por fim, afirmou que o Brasil vai atravessar as duas ondas e que “juntos, povo brasileiro,  empresários, caminhoneiros e produtores, vamos superar isso”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComerciante que aumentar preço de álcool em gel e máscaras poderá pagar multa de até R$ 50 mil
Próximo artigoCarreata “pró-comércio” tem forte adesão

O LIVRE ADS