Patriotismo é uma virtude?

A pátria que queremos respeitar é mais do que as montanhas, vales e rios louvadas no hino

O hino nacional nunca esteve na lista de favoritos do Spotify dos esquerdistas. O governo preparou um vídeo para o Sete de Setembro, com ministros e brasileiros de todo o tipo cantando o hino. A comoção em torno do desfile chamou atenção no Brasil inteiro. Parece que houve um despertamento de um sentimento há muito esquecido, o orgulho da pátria.  

Pergunto-me se a direita brasileira entende que é parte de seu dever de movimento cultivar o orgulho nacional e o amor ao país. O slogan de Bolsonaro, “Brasil acima de tudo” incomodou muito aqueles que não reconhecem o patriotismo como uma virtude. Da mesma maneira o discurso de Trump, de proteção à América, incomoda profundamente o partido Democrata até hoje.

Esta aversão ao orgulho nacional é uma consequência direta da esquerdização paulatina que o país vem sofrendo há décadas. Parece-me que a nova direita, inconsciente deste mal,  é tão avessa ao patriotismo quanto a esquerda, ou pelo menos tem se mostrado indiferente à necessidade de restauração do orgulho nacional.  

Um sentimento nacional comum a todos é essencial na construção de uma força conservadora. Defino o conservadorismo aqui segundo Edmund Burke: uma disposição de preservar os valores sociais, a ordem,  as instituições que a garantem, o amor à nação e o que nela é nobre.

Essa disposição é  alicerçada em algumas premissas filosóficas compartilhadas pelos conservadores, e que não derivam do pensamento de Burke, mas do senso-comum judaico-cristão.

Uma delas é que a ordem social é muito frágil e pode ser facilmente aniquilada. Há que se preservar seus pilares com carinho, porque ela é sensível. É mais fácil destruir do que construir. Basta-se ler o livro de Juízes e os livros dos Reis na Bíblia para se entender bem este princípio.

Outra premissa é de que o conhecimento histórico acumulado ao longo dos séculos e décadas pela experiência conjunta de muitas gerações é nossa maior fonte de sabedoria. Mais uma premissa importante é que a inclinação humana decaída e corrupta tem que ser moldada e cerceada moralmente por instituições sólidas. A família, a religião e o amor à pátria são algumas delas.

Quando se destrói o mundo como o conhecemos, o que nos resta é o caos, não a utopia. O “conservar” do conservadorismo não se refere a manter o que é mal, como alguns críticos incapazes apontam, mas à preservação da frágil ordem social, instituições e crenças que nos livram da tragédia que seriam as guerras tribais, das trevas do obscurantismo e consequentemente do caos generalizado.  

O amor à pátria, o orgulho pelos heróis que a construíram, o respeito à história e aos antepassados são parte integral deste sentimento preservador.

Burke considerava este amor à pátria como tendo uma influência política profunda. O amor à tradição, aos costumes que nos caracterizam, e o respeito à jornada histórica que trouxe a nação até o momento em que está, compõem o alicerce da nossa identidade como povo.

Segundo Burke, foram os intelectuais  da revolução que tentaram substituir o sentimento do orgulho nacional pela abstração filosófica dos “direitos humanos.” Ao inventar esta nova referência, eles tiraram da lei qualquer âncora na realidade concreta do que era a sociedade e o povo, deixando-a subjugada apenas pelo poder do Estado, a arbitrariedade do querer dos poderosos.

Não podemos confundir, porém, o patriotismo sadio com o nacionalismo doentio do fascismo, como muitas vezes os especialistas na fabricação de espantalhos que habitam a intelligentsiaesquerdista o querem.

O patriotismo verdadeiro vai reconhecer na nação a sua diversidade étnica e cultural. Não vai associá-lo a um partido, a um modo de pensar único, ou a uma religião única. Não somos um país de cristãos brancos, nem de índios, nem de africanos. Somos um país em que muitos grupos étnicos se encontraram, alguns nativos e outros vindos de fora.

Nosso encontro foi dolorido e sangrento, mas hoje somos uma pátria generosa e hospitaleira, que conseguiu criar em seu seio uma sociedade alegre e fraternal, denunciando sempre a crueldade e a exclusão, procurando as soluções mais humanas, tolerando as diferenças uns dos outros e criando um terreno moral comum.

O problema é que a pátria, plural e livre só é possível se os pilares históricos que a conduziram à liberdade forem preservados. Esta preservação só acontece num ambiente de amor de respeito a ela. A pátria que queremos respeitar é mais do que as montanhas, vales e rios louvadas no hino, mas uma história vivida em torno de virtudes morais e valores nobres.

Num mundo ideal, o “Ministério dos Direitos Humanos” abstratos e impessoais daria lugar ao Ministério dos Valores Morais da Nação. Mas pensando que a centelha da civilidade nacional ainda tem que ser muito abanada para se tornar uma simples brasinha, não estou propondo essa ideia. Ela é apenas uma brincadeira de quem já se resignou tristemente ao estado de coisas em um país que só é patriota em dia de jogo de seleção.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

5 COMENTÁRIOS

  1. Braulia, excelente texto, expressa muitas bem a nossa realidade. Me lembro quando me entendi como gente na década 70, qdo íamos a escola pelo menos uma ou duas vezes na semana, reuniam-se todo professores, merendeiras e alunos no hasteamento da bandeira cantávamos o hino nacional, com a mão no peito, hino do nosso estado o Pará. Parece que naquela época se valoriza mais a pátria, éramos governado por militares. Pessoalmente gostava muito desses momentos que mostrava nos nos ensina um respeito a Pátria.

  2. Concordo plenamente, ressalto essa parte:

    O patriotismo verdadeiro vai reconhecer na nação a sua diversidade étnica e cultural. Não vai associá-lo a um partido, a um modo de pensar único, ou a uma religião única. Não somos um país de cristãos brancos, nem de índios, nem de africanos. Somos um país em que muitos grupos étnicos se encontraram, alguns nativos e outros vindos de fora.

  3. Excelente!
    Texto equilibrado. Ótimo usar Burke como referência.
    E tudo é o equilíbrio, o patriotismo une o povo em prol do bem coletivo. O nacionalismo extremista acha que a sua nação é melhor q as outras e portanto tem o direito de dominar sobre as outras nações, como por exemplo o nazismo.
    Mas o patriotismo eu vejo como o sentimento de cooperação, trabalho em equipe.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMenino doa único ovo que tinha para comer para ajudar abrigo de idosos
Próximo artigoAGU proíbe advogados públicos de exercerem atividades privadas

O LIVRE ADS