Pátio vê ação política e pede investigação contra promotora de Justiça

Prefeito e candidato à reeleição em Rondonópolis diz que pedido de impugnação de candidatura visa prejudicá-lo politicamente

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Responsável pela defesa do prefeito e candidato à reeleição em Rondonópolis (225 km ao Sul de Cuiabá), José Carlos do Pátio, o advogado Lenine Póvoas já apresentou defesa ao pedido de impugnação do registro de candidatura protocolado pelo Ministério Público Eleitoral (MPE).

Formulado pela promotora Patrícia Eleutério Campos Dower no dia 2 de outubro, o pedido de impugnação argumenta que Pátio omitiu patrimônio em sua declaração de bens entregue a Justiça Eleitoral e ainda criou uma empresa fictícia da qual figuram como sócios a esposa e os filhos para não devolver dinheiro aos cofres públicos decorrentes de condenações no Judiciário por improbidade administrativa.

O advogado Lenine Póvoas classifica a ação do Ministério Público como “política”, uma vez que, segundo ele, não obedeceu a critérios técnicos e carece totalmente de amparo jurídico para ter o pedido aceito pelo Judiciário.

Aparentemente o objetivo desta ação é causar desgaste político para Zé do Pátio. Prova disso é que foi relacionado na petição inicial algumas Ações Civis Públicas que o impugnado responde, mas que, todavia, não têm nenhuma ligação com o fundamento da impugnação em si(…). Uma argumentação dessa natureza vinda de outros adversários seria até mais compreensível, porque poderia se tratar de uma estratégia jurídica de campanha, o que, embora reprovável, é até certo ponto compreensível. Mas vindo do Parquet é inaceitável”, afirma.

O jurista ainda citou precedente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de que eventuais equívocos na declaração de bens não têm potencialidade apta a gerar condenação ao candidato.

“Ainda que existisse alguma eventual inconsistência, isso seria um problema do candidato com a Receita Federal, mas jamais poderia ocasionar óbice para a sua participação no pleito municipal”, cita.

A defesa ainda considera estranho que outros candidatos a prefeito em Rondonópolis tenham declarado patrimônios milionários e não sofreram uma análise minuciosa.

Por último, citou a recente Lei do Abuso de Autoridade aprovada pelo Congresso Nacional para informar que vai acionar a promotora de Justiça na Corregedoria do Ministério Público Estadual, uma vez que, pesa a suspeita de que o pedido tenha conotação político-partidária.

“Pode estar havendo uma tentativa de confundir a opinião pública por via transversa, o que certamente poderá interferir no resultado das urnas e não pode ser tolerado, ainda mais pelo fato da Justiça Eleitoral estar sendo usada como palco para isto mediante ações judiciais infundadas”, concluiu.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDo batom ao delineador: uso de máscara faz mercado das maquiagens mudar
Próximo artigoFilhos melhores para o mundo? Especialista cita vantagens da educação ambiental desde a infância