Passado, presente e futuro: que histórias contam monumentos de Cuiabá?

Em Cuiabá, monumento que homenageia bandeirantes é questionável? Afinal, quem representa o povo brasileiro?

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Quem anda pelo centro de Cuiabá, provavelmente, já se deparou com um monumento em que três figuras estão retratadas: um bandeirante, um índio e um negro. A homenagem foi instalada na Avenida Coronel Escolástico, em comemoração aos 250 anos da Capital.

O bandeirante é Pascoal Moreira Cabral, considerado o fundador da cidade. Já o índio e o negro representam uma “memória genocida” de um colonizador que chegou para aprisionar e escravizar outros povos. Será?

A pergunta “quem estamos homenageando?” passou a ecoar pelo mundo em meados de maio, quando o norte-americano George Floyd – um homem negro – foi morto nos Estados Unidos por um policial, durante uma abordagem.

Dali em diante, os protestos que ocorreram em várias cidades do planeta incluíram a destruição de estátuas e monumentos históricos. Geralmente, imagens de colonizadores e escravocatas.

Mas para o historiador Suelme Fernandes, antes de sair derrubando imagens por aí, é preciso pensar: em que época o homenageado viveu? E quando se deu a instalação desse monumento? O que mudou para o momento em que vivemos agora?

“Julgar acontecimentos históricos fora de seu contexto é um anacronismo. Existia outra mentalidade na época. São julgamentos de valores diferentes para cada uma dessas épocas”, ele explica.

Manifestantes derrubam a estátua de Edward Colston (Reprodução)

Alguns estudiosos defendem, por exemplo, que a história é feita de fatos do presente e, por isso, provisória. Isso quer dizer que ela pode ser reescrita sofrendo acréscimos, revisões e correções.

Cada grupo social, entretanto, faz a própria leitura dos fatos. Para Antonieta Luísa Costa, pedagoga e especialista em História e Escravidão pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a pauta é atual e precisa ser discutida.

Quem representa o povo brasileiro? Uma estátua colocada há 150 anos representa quem? São heróis que não nos representam, que massacraram, agrediram e exterminaram o nosso e outros povos”, ela afirma.

Então, o monumento de Cuiabá é questionável?

A “memória genocida” na imagem do negro e do índio que acompanham Pascoal Moreira Cabral é uma análise de Suelme.

“A imagem representa um pódio da civilização: um índio de perfil – desproporcional em relação aos outros grupos; a figura que representa o negro está virada para trás e o bandeirante acima do dois“, ele explica.

Por conta disso, para o historiador, embora o índio e o negro estejam retratados – o que para alguns pode indicar um “reconhecimento” de sua participação na construção da cidade e do povo – o monumento passa uma imagem sombria.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

“Ele [Pascoal] chega aqui preando índio, matando os Paiaguás que foram completamente exterminados por esses bandeirantes. É um monumento que – apesar da figura do índio e do negro – traz essa memória genocida”.

Já Antonieta vai além. Analisando as manifestações e movimentos inflamados pela morte de George Floyd, diz ser necessário que tais fatos nos levem a uma reflexão profunda.

O erro acontece, mas não podermos permanecer nele. Há determinado naquele monumento o sentido de superioridade. Isso não significa que tenhamos que perpetuar esse pensamento. Quem se reconhece na figura do bandeirante?“.

Voltando no tempo

Foi entre o século I e II que, segundo Suelme, se iniciou o hábito de homenagear pessoas públicas ou momentos históricos com estátuas.

À época, o Império Romano começou a erguer monumentos para exaltar feitos militares e seus responsáveis. É exemplo desse momento a instalação da estátua que homenageia o imperador Augusto César.

Atualmente, o obra está exposta no Museu do Louvre, em Paris.

Esses monumentos serviam de propaganda do poder romano perante os povos dominados e diante do povo do império“, explica Suelme. Também são exemplos as construções de arcos e obeliscos.

Todavia, de acordo com o historiador, não é novidade estátuas e monumentos virarem alvos de protestos, como os casos após a morte de Floyd. No século XVI, avessos a adoração de imagens sacras, protestantes destruíram santos católicos.

O movimento ficou conhecido como iconoclastia.

(Reprodução)

Já em 1776, moradores dos Estados Unidos – logo após a independência do país -, foram às ruas para destruir a estátua do rei George III. O monumento foi derrubado e transformado em balas de mosquete.

Na Alemanha do pós 2ª Guerra Mundial, símbolos e homenagens a nazistas também foram derrubados e alterados. A mudança inclui nomes de ruas.

Em Mato Grosso, os nomes de duas escolas estaduais Castelo Branco e Senador Filinto Müller chegaram a ser alterados por força de decreto, em 2017, mas a mudança acabou revogada logo em seguida. As unidades ficam em Luciara e Arenápolis.

A mudança foi feita com base na Lei Estadual 10.343, sancionada em 2015, que proíbe homenagens a pessoas que tenham cometido tortura, exploração de trabalho escravo, maus tratos a animais ou violação de direitos humanos.

As duas figuras históricas estão ligadas ao período da ditadura militar no Brasil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Lamentável a carona em ações de ataques ao passado que tentam pegar na avalanche de agressões ao que foi construído com muito esforço pelos que aqui estavam e os que para cá vieram. Ter a mente carregada por frustrações pessoais e fechar os olhos a tudo é como ser preconceituoso as avessas. Na visão tosca desses demagogos devemos voltar atrás as homenagens a quem tenha vindo por vontade própria ou trazidos a força. Afinal, todos, sem exceção, causaram impactos para onde quer que tenham ido no passado e estão indo agora, caso daqueles que se deslocam para escapar das dificuldades existentes em seus locais de origem invadindo países sem aceitar se adaptar às culturas, religiões e modo de vida existentes nos locais para onde decidiram migrar. Pensar assim também é transmitir uma mensagem exclusivista, preconceituosa e ao mesmo tempo seletiva onde quem se sente oprimido passa a se considerar no direito de destruir monumentos de outros para daqui a pouco colocar os de seus seus ídolos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBandidos são flagrados pedindo dinheiro para não divulgar imagens íntimas de mulher
Próximo artigoDelivery chegou, mas o entregador está sem máscara, o que fazer?