Parque fabril da Puríssima é aberto à visitação; empresa também realiza projetos sociais

Em meio à natureza, a fonte é preservada e cuidadosamente adaptada às necessidades de captação da água que chega aos lares mato-grossenses

Localizado no Vale do São Lourenço, em Dom Aquino (a 172 km de Cuiabá), o parque fabril da Puríssima Água Mineral, foi criado em 1999 e desde então, a empresa tem se empenhado em investir no parque tecnológico, mas sem se desvincular da responsabilidade de conservar o meio ambiente. E os esforços focam não só na excelência do produto, como também, na aproximação com a comunidade. Iniciativas sustentáveis e projetos sociais estão enraizados na política da empresa, que mantém as portas abertas para visitação.

A convite da direção, a reportagem de O Livre foi conhecer as instalações e as políticas ambientais e de gestão.

Um dos representantes da diretoria, que acompanharam nossa equipe, o gerente comercial da Puríssima, Felipe Neri, explicou que a fábrica possui um espaço específico onde recebe escolas, faculdades e consumidores, no geral. O objetivo é proporcionar aos visitantes, uma experiência diferente.

“Conhecer de onde vem a água puríssima que é consumida por muitas famílias brasileiras é uma experiencia agradável. A água que nasce diariamente na fonte ‘choveu’ há 50 anos atrás. Essa mata que ocupa a área em volta, preserva todo o ciclo da água.  Quando chove ela passa por filtragem no solo e absorve os minerais que tem nas pedras, depois, com a pressão do solo, ela retorna para a superfície através de uma fissura”, concluiu.

A visita é realizada com o acompanhamento de guias que fazem a apresentação de todo o parque industrial. Os guias são treinados para receber grupos de até 25 pessoas, para poder atender a todos com tranquilidade. No fim do passeio, os turistas são convidados a plantar uma muda de ipê como contribuição à preservação e recuperação da vegetação.

Uma visitante da reserva a Cônsul da Alemanha Tânia da Costa, afirmou que é notória a preservação do meio ambiente, e que esse foi um dos principais motivos que tornou suas experiência encantadora.

“Achai maravilhoso conhecer todo esse sistema de preservação que foi montado. Ver a fonte de onde a água que nós tomamos é retirada, foi sensacional, nós vimos que tudo é feito com muito esmero, em cada uma das etapas”, pontuou Tânia.

A Gerente Comercial Seara do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Cristina Maia, também estava lá para conhecer o local. “Nós notamos que a água sai da fonte e vai direto para o engarrafamento, isso nos traz segurança. Não vou mais consumir a água da mesma forma, pois sempre vou me lembrar disso”, concluiu Cristina.

O parque industrial se encaixa perfeitamente com a área de preservação permanente que guarda a fonte. Todo o maquinário aplicado na captação da água foi pensado para ser totalmente ecológico e adaptável ao ambiente. Há uma vazão de mais de um milhão de litros por hora.

As ações de conservação também contemplam permanente plantio de árvores nativas, frutíferas e ornamentais, tudo para enriquecer, preservar e manter o equilíbrio ecológico da área, anulando o risco de poluição e contaminação do manancial.

De acordo com Felipe Neri, a empresa possui uma área arrendada de 320 hectares de terra destinada à preservação, para que não seja feita nenhuma atividade que possa contaminar o solo e, assim, fazer com que a água perca sua qualidade e se torne imprópria para consumo humano dessa geração e de gerações futuras. A exemplo, toda a água utilizada para a limpeza da fábrica e dos garrafões passa por um processo de filtragem para ser devolvida ao meio ambiente e continuar seu curso. “A preocupação com todos esses fatores ambientais levou a fonte a conquistar nove prêmios de qualidade, entre eles o ISO 9001 e o prêmio de Padrão Internacional Tipo Exportação NSF”, aponta.

Já a gerente industrial Cláudia Ferreira de Souza, que acompanha a evolução da marca desde sua criação, a Puríssima possui um laboratório que analisa a qualidade da água, o controle de produção, para que não haja nenhuma contaminação no envasamento da água. “E também há profissionais que acompanham todo o processo. Eles analisam se as garrafas estão com a quantidade de água adequada, o perfeito fechamento das tampas, qualidade do rótulo e principalmente a qualidade final do produto”, pontuou Cláudia.

Projeto de música

Pensando na comunidade, a Puríssima mantém o projeto “Puríssima com a corda toda”. Neste, crianças carentes têm aulas de violão com toda a estrutura necessária, incluindo local, instrumentos, uniforme e professor.

“Nós já atendemos mais de 200 alunos, sendo que três dessas que começaram o curso hoje dão aula no projeto para outras crianças carentes, despertando o talento, ensinando a arte da música e mantendo as crianças ocupadas e em desenvolvimento”, destaca o sócio e responsável pelo marketing e área comercial da Puríssima, Filipe Franzner.

Auxílio a entidades beneficentes

Segundo Filipe, há anos a fábrica contribui com ajuda mensal em custos e água ao Hospital do Câncer, ao Centro Espírita Wantuil de Freitas, AACC, Federação Mato-grossense de Natação, entre outros projetos.

“Neste ano nós também realizamos um leilão de produtos, e toda a renda – que chegou a R$ 136 mil reais – foi destinada ao Hospital do Câncer. Eles também recebem uma participação dos lucros da Puríssima anualmente para o auxílio na sua manutenção”, explicou.

Sustentabilidade

Já na parte ambiental, a Puríssima realiza trabalho de preservação da natureza, principalmente nas imediações da indústria e da fonte. Árvores são plantadas e áreas são arrendadas na redondeza para manter a mata nativa e também plantar árvores, além de preservar a natureza e a qualidade da água que nasce da fonte. Esse trabalho de preservação mantém o manancial da Puríssima longe de qualquer tipo de ação do homem que possa influenciar na degradação da fonte, como áreas urbanas, pesticidas de lavouras, lixo, entre outras.

“Todo o lixo da fábrica é reciclado ou recolhido por uma empresa contratada para que não haja impacto no meio ambiente”, conta Cláudia Ferreira.

Devido a toda esta produção, a indústria tem um papel de relevante importância para a exploração dessa atividade econômica, que também contribui para o avanço social da região do Vale do São Lourenço e para Mato Grosso. A Puríssima conta atualmente com 150 colaboradores na fábrica e indústria, que trabalham em três turnos.

Para garantir o melhor conforto aos funcionários, eles recebem alimentação na fábrica, contam com sala de descanso e principalmente uma série de cursos de qualificação.

Investimento no bem estar dos colaboradores

Segundo Filipe, como estão em busca de novidades, mais qualidade e melhor produtividade, é fundamental que investimentos também estejam voltados aos colaboradores. “Daí investirmos na qualificação de mão de obra, que acontece de maio a julho. Os temas das qualificações são variados – estão na área de qualidade, comportamento, relações interpessoais, e também finanças pessoais. A nossa preocupação é dar o maior aporte possível para que eles possam ser profissionais completos”. Ele conta que o colaboradores também recebem gratificação financeira por meio da participação dos lucros.

“A nossa inovação não está só nas embalagens, nas linhas de produtos, mas também, na qualidade. Nós somos pioneiros nas certificações que conseguimos, tanto social quanto ambiental, e vamos continuar buscando sempre a excelência. Hoje, percebemos o quanto o cliente valoriza esta atitude empresarial”, finalizou.

Quer visitar a fábrica?

A recepção é marcada para as 8:30 horas da manhã no parque industrial e o passeio tem uma duração de no máximo 3h30 sendo finalizado as 12h – O agendamento de visitas pode ser feito pelo tel (65) 3612.5555 ou pelo Contato do site.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem tenta fugir de presídio fantasiado de Nazaré Tedesco
Próximo artigoJovem escuta que sua esposa o traiu e passa a agredi-la; pais dele também apanham