Parlamentares de MT já gastaram R$ 1,6 milhão em verbas do Congresso

Cifra milionária é menor que reembolsada no primeiro semestre de 2020, quando havia maior restrição da pandemia

A bancada federal de Mato Grosso, composta por deputados e senadores, já gastou R$ 1,6 milhão em verbas auxiliares pagas pelo Congresso Nacional, para o exercício das atividades parlamentares.  

A cifra milionária, curiosamente, é menor que a paga entre janeiro e julho do ano passado, quando as medidas de restrição de biossegurança, por causa da pandemia, impediam a circulação de pessoas. 

Os deputados federais gastaram R$ 1,273 milhão no primeiro semestre, uma quantia R$ 175 mil (12%) menor que a de 2020.  

Emanuel Pinheiro Neto (PTB) é o campeão em gastos. Nos seis primeiros meses do ano, a despesa dele foi de R$ 239 mil. Doutor Leonardo Albuquerque (SD), o segundo na lista, gastou R$ 186 mil. 

Deputados  

A maior despesa dos deputados foi com a divulgação das atividades parlamentares, uma fatia que correspondeu a quase meio milhão de reais.  

Logo em seguida, aparecem os gastos com veículos: foram R$ 239 mil. Os dados estão publicados no Portal da Transparência da Câmara Federal. 

O reembolso de passagens aéreas que teve percentual próprio em 2020, com a devolução de R$ 19 mil, neste ano não aparece entre os gastos mais volumosos. 

Maio foi o mês com o maior número de pedidos de pagamento de despesas, fechando a fatura em R$ 871 mil. 

Senadores 

Os três senadores de Mato Grosso – Carlos Fávaro (PSD), Jayme Campos (DEM) e Wellington Fagundes (PL) – gastaram R$ 376.720 durante os mesmos meses. A quantia também ficou cerca de 10% abaixo da reembolsada no primeiro semestre de 2020. 

Carlos Fávaro apareceu, no ano passado, na lista dos que menos gastaram. Ele exerceu a função por oito meses, contando a nomeação em abril por determinação da Justiça e a eleição na campanha complementar, em novembro. Neste período, ele gastou R$ 219 mil. 

Em seis meses deste ano, a quantia chegou 186,8 mil. Os itens mais caros são aluguel para imóveis para escritório político, que custou R$ 57,8 mil, e o grupo de locomoção, hospedagem, alimentação e combustíveis que ficou em R$ 53,8 mil. 

Jayme Campos aparece logo a seguir, com despesas de R$ 101,4 mil. A divulgação das próprias atividades teve o gasto mais alto: R$ 30,5 mil. Locação, hospedagem, alimentação e combustíveis custaram R$ 27,6 mil. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno abre edital de R$ 12 bilhões para construção de ferrovia até Cuiabá
Próximo artigoPrefeitura prorroga decreto