Para Maria Lucia, aborto e orientação sexual não podem ser resumidos de forma “simplista ou dogmática”

Maria Lúcia é ex-reitora da UFMT e pré-candidata ao Senado pelo PCdoB de Mato Grosso

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

“Não pode colocar a cabeça no buraco igual avestruz e achar que se é contra o aborto resolveu tudo”. A declaração é da pré-candidata ao Senado pelo PCdoB de Mato Grosso, Maria Lúcia Cavalli, para quem questões polêmicas como aborto e orientação sexual não podem ser resumidas de forma “simplista ou dogmática”, precisam ser pensadas de forma científica.

Ex-reitora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Maria Lucia ressaltou que, em sua opinião, aborto é uma questão de saúde pública. “Podemos ter uma política muito forte de prevenção, para não ter que desembocar nessa dualidade do a favor ou contra. A princípio ninguém é a favor do aborto, todos somos a favor da vida, mas temos situações de jovens sendo estupradas dentro de casa, de pedofilia. Não podemos camuflar isso”.

Ela ponderou ainda que, não é pelo fato de ser pré-candidata, que não tratará a questão da forma que acredita ser necessária. “A pessoa não pode ser leviana, falar o que agrada a maioria, isso é hipocrisia. Eu trato o aborto como uma questão de saúde pública, trazendo todas as mazelas sociais para a discussão dessa questão. A lei já prevê alguns casos excepcionais, mas a legislação precisa dar amparo a outras situações. Temos que enfrentar, ampliar esse diálogo”.

Da mesma forma, a pré-candidata defende a necessidade da orientação sexual nas escolas. “Isso não pode ser tabu. O jovem, o adolescente, tem que ter orientação sexual, ele tem que compreender como que se engravida, tanto o menino como a menina. Precisam entender a importância da preservação, seja não fazendo até ter maturidade suficiente, ou fazendo com orientação. E isso tem que ser feito pelo governo, com campanhas. Não podemos nos preocupar em estarmos alertando para sexualidade precocemente, isso será feito de qualquer maneira, mas o professor tem condições de trabalhar da forma correta”.

Em relação ao casamento homossexual, Maria Lucia entende que a luta tem que ser pautada na busca por condições dignas de vida para todos, independente da opção sexual. Para ela, a harmonia social não se dá por meio do discurso, mas sim com uma economia em crescimento, emprego à disposição, casa para todos, comida na mesa, humanidade garantida.

“Isso que tem que nos movimentar e nos indignar. A humanidade não se restringe a questão da sexualidade, o interesse por homem ou mulher é uma questão pessoal, cada um tem que ter liberdade de decidir sobre a vida particular. Temos que respeitar a adversidade e pensar coisas mais profundas. Temos que nos preocupar com o bem estar do outro”, finalizou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSinop reduz aparelhamento público e Colíder teme interrupção do transporte escolar
Próximo artigoEm 40 anos, MT elegeu apenas 11 mulheres para Congresso e Assembleia