Pantanal: Esperando a Chuva Chegar!

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Nesse artigo refletirei sobre a primeira experiência de planejamento estratégico para o desenvolvimento do Pantanal chamado Programa Especial de Desenvolvimento do Pantanal PRODEPAN e apresentar novos desafios.

O PRODEPAN nasceu em Poconé no ano de 1971 através de uma reunião política promovida pela sociedade civil e organizada que contava com representantes dos 18 municípios que compunham o Pantanal (antes da divisão do estado), pantaneiros, pequenos produtores, fazendeiros, prefeitos e vereadores.

Dessa reunião criaram a CIDEPAN Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento dos Municípios do Pantanal, capitaneado pelos prefeitos e pelo presidente da CODEMAT Companhia de Desenvolvimento de Mato Grosso Gabriel Müller e por Bento Porto que era assessor especial do Ministério da Agricultura.

Ao receber as demandas desse fórum, o então governador José Fragelli decidiu construir pela CODEMAT/DERMAT a estrada Transpantaneira de Poconé até Porto Jofre e determinou que se fizessem estudos para implantação de um programa voltado ao Pantanal para ser apresentado para o Ministério do Planejamento e Transporte no mesmo ano.

O CIDEPAN reivindicava a ligação de Poconé a Corumbá um trecho de 324 km, contudo, a estrada chegou somente até Porto Jofre em Mato Grosso.

A Tranpantaneira morreu na construção de uma ponte sobre o rio Cuiabá e no pós divisão dos estados em 1977 o projeto foi abandonado faltando 225Km.

Em 1974 após inúmeros estudos, o Presidente Geisel assinou o Programa Especial de Desenvolvimento do Pantanal PRODEPAN que previa investimentos entre os anos de 1974 a 1976 de 660 milhões de cruzeiros nas seguintes áreas de infraestrutura; 36,4% transporte; 27,3% energia; saneamento básico 17,4%; Pecuária 10,6% e Indústria com 8,3%. Falaremos sobre caseiro desses.

Os estudos e propostas sobre transporte foram elaborados pelo Grupo Executivo para Integração da Política de Transportes GEIPOT. No sistema rodoviário coletor do Pantanal mato-grossense foram criadas 3 malhas viárias: I Corumbá com 828 Km, II Campo Grande com 367 e III Cuiabá com 714 totalizando 1909 Km.

O objetivo era integração da rede coletora viária das estradas federais asfaltadas, vicinais, hidrovias e a ferrovia Noroeste do Brasil, numa estratégia de logística para ligar a região aos portos exportadores,
Nessa perspectiva, foi proposto a utilização da Hidrovia Paraná Paraguai como rota de escoamento da produção com dragagem de alguns pontos, melhoria dos portos, balizamento, sinalização e financiamento de novas embarcações. Até hoje a hidrovia não saiu do papel.

Como parte do dinheiro era para financiar a industrialização através de frigoríficos para o abate de bovinos, era antes necessário resolver o problema do fornecimento de energia eletrica.

A proposta para energia elétrica previa a construção de 1425 KM de linhas elétricas de transmissão e 5 subestações 11 mil KW de capacidade ao custo de 186 milhões de cruzeiros de investimentos. E estudar o potencial hidrelétrico dos rios: Jauru, Cuiabá, Rio São Lourenço, Itiquira, Correntes, Taquari, Aquidauana e Miranda.

As hidrelétricas eram apresentadas na época como uma solução para os “danos” causados pelos ciclos hídricos das cheias na superfície alagada do Pantanal e para a garantir a regularidade da navegação nas secas.

Salvo engano, dessas hidroelétricas apenas a do Manso nas cabeceiras do rio Cuiabá foi construída até hoje.

No próximo artigo falaremos sobre saneamento básico, assistência técnica e extensão rural, turismo e sobre os desafios para uma agenda de futuro para o Pantanal.

Suelme Fernandes é Mestre em História e Analista Político.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm 10 anos, volume de chuva reduziu 16% no Pantanal
Próximo artigoRemake do filme “Convenção das Bruxas” ganha primeiro trailer; Confira