Pantanal em chamas: depois das araras, as onças e não há previsão de chuva

Localidade com a maior concentração de onças-pintadas do mundo está cercada e previsão é que só comece a chover no fim do mês

(Foto: Secom-MT)

Depois das araras azuis, os incêndios florestais que atingem o Pantanal mato-grossense ameaçam as onças. Nesta terça-feira (9), o Corpo de Bombeiros enviou reforços para o Parque Estadual Encontro das Águas. Localizado na região de Porto Jofre, em Poconé (cerca 100 km de Cuiabá), ele é a localidade com a maior concentração de onças-pintadas do mundo.

E as expectativas sobre o clima para a maior parte de setembro não são nada animadoras. O calor intenso e ar seco vão predominar por mais algumas semanas, segundo informações do site ClimaTempo.

A chuva de frentes frias que passam pelo Sul do Brasil não conseguem chegar ao Pantanal. Uma mudança no padrão da circulação de ventos – que dê condições de chuva na região – só deve correr na última semana do mês.

Segundo os meteorologistas, com esta mudança na circulação de ventos, a umidade das áreas tropicais deve começar a avançar aos poucos do Norte para o Centro-Oeste, estimulando a formação de algumas nuvens de chuva.

Mas isso não significa que o fim de setembro será com chuva frequente e em todos os lugares. Estas pancadas, quando ocorrerem, devem ser em pequenas áreas e em pouco volume.

(Foto: Jeferson Prado)

Outro fator destacado é que, com o solo e ar muito quentes, a pouca chuva que cair será rapidamente evaporada e não será suficiente para umedecer o solo. Então, a mudança na circulação de ventos no fim de setembro será apenas o início das mudanças da atmosfera para o aumento das condições para chuva em outubro.

O combate às chamas

A nova equipe do Corpo de Bombeiros se reúne aos 46 homens que já  trabalham na Operação Pantanal II. Além da área do Parque Estadual Encontro das Águas, têm sido priorizada a proteção de regiões de pousadas, fazendas, e das mais de 140 pontes na Transpantaneira.

LEIA TAMBÉM

Fazendeiros da região também disponibilizaram maquinários, caminhões-pipa e tratores para o combate aos incêndios.

Na segunda-feira (7), duas mulheres e sete crianças foram resgatadas de uma região ribeirinha pelos bombeiros. Elas viviam em uma casa de palha que foi cercada pelo fogo. 

A ação contou com o apoio de militares e brigadistas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

“A família estava pressionada pelo fogo e pelo rio e não havia mais como sair pela propriedade. Fizeram um trabalho de queimar a vegetação próxima, proteger e encharcar as casas, e conseguiram preservar as moradias”, explica o tenente-coronel.

(Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

Operação Pantanal II

A operação foi deflagrada no dia 7 de agosto e, desde então, empenha esforços para proteção da maior planície alagável do mundo. São 122 homens atuando diretamente no combate ao fogo.

De acordo com o monitoramento do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE), de 1 de janeiro até o dia 7 de setembro, foram registrados 12.042 focos de fogo no Pantanal. É a terceira maior quantidade de focos desde o início do período histórico, em 1998.

Os números dos focos em agosto também estão entre os maiores para este mês. Segundo dados do INPE, o Pantanal registrou 5.935 pontos de fogo, sendo a segunda maior quantidade para o mês também desde 1998.

E setembro começou queimando muito mais do que no ano passado. Na contabilidade do INPE, só até esta segunda-feira (7) foram 421 focos, contra 178 no mesmo período de 2019.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdolescente deixa espingarda cair, atira acidentalmente em si próprio e morre
Próximo artigoInauguração de delegacia em Cuiabá tem presença de Michele Bolsonaro e Damares