Pandemia: Média de atendimentos cresceu 40% em VG nos últimos sete dias

Mais da metade dos pacientes são de outras cidades, Estados e até países

(Foto: Prefeitura de VG)

No limite, mas ainda atendendo a todos. Essa é a situação do sistema de saúde de Várzea Grande (região metropolitana), que viu a procura por Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Policlínicas crescer de 38% a 42% nos últimos sete dias.

Secretário de Comunicação do Município, Marcos Lemos define o cenário com uma frase: “estamos em guerra”. Mas garante: “ninguém sai sem ser atendido e medicado”.

Conforme ele, dos pacientes que chegam na rede de saúde de Várzea Grande, 53% moram em outras cidades, Estados ou até mesmo países. “Semana retrasada, de uma vez só atendemos 17 pacientes de Rondônia”, ele contou.

Para dar contar da situação, o Município criou 92 novos leitos distribuídos em UPAs e no Pronto-Socorro. Desse total, 10 são em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O restante está em enfermarias, mas possui respiradores, ou seja, podem ser classificados como semi intensivos.

O problema, no entanto, é conseguir médicos e – mais recentemente – insumos para manter essas vagas em funcionamento. Na última segunda-feira (15), o Sindicato dos Médicos de Mato Grosso (Sindimed) afirmou que três profissionais estavam cumprindo uma escala de plantão que deveria ter, pelo menos, cinco. 

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá tem mais de 14 mil animais abandonados e o número está subindo
Próximo artigo“Auxílio covid”: diretores de hospitais ganham o dobro de técnicos em Enfermagem em MT