Pais procuram a Justiça para conseguir matricular filha com microcefalia na escola

Sem saber ler ou escrever, os pais de Bruna, 12 anos, desejam que ela tenha acesso à educação

(Foto: TJMT/Divulgação)

Bruna Marques de Almeida tem 12 anos e foi diagnosticada com microcefalia ainda na primeira infância. É desde essa época que os pais dela tentam matricular a filha na escola pública. A resposta, contudo, é sempre não.

A justificativa é ausência de um profissional específico que cuide da menina, como a legislação prevê.

A família mora na comunidade Estirão Comprido, que fica em Barão de Melgaço (121 km de Cuiabá). Marcelo Alvarenga de Almeida e Severina Marques da Silva Luz, pais de Bruna, foram atendidos no projeto Ribeirinho Cidadão e pediram ajuda à Justiça.

Sem saber ler ou escrever, os pais de Bruna desejam que ela alcance todo o potencial possível dentro das limitações impostas pela microcefalia.

Eles também acreditam que a escola seja o ambiente ideal para que ela seja estimulada tanto intelectualmente como socialmente, ao conviver com outras crianças e fazer novos amigos.

Um ofício foi encaminhado ao Conselho Tutelar de Barão de Melgaço cobrando informações e apontando a falha no acesso à educação.

Caso as secretarias de educação (em âmbito municipal e estadual) não adotarem medidas administrativas para garantir o direito de Bruna, uma ação judicial deve ser iniciada.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProfessora de creche em Cuiabá é acusada de agredir criança de cinco anos
Próximo artigoFestival gastronômico de Cuiabá oferece menus degustação a partir de R$ 9,90