Padrasto que estuprou enteada durante 7 anos é preso em Cáceres

A vítima sofreu abusos dos 10 aos 17 anos. Homem também é suspeito de estuprar as irmãs da vítima, uma de 21 e outra de 14 anos

Um homem de 40, acusado de estupro de vulnerável, foi preso pela Polícia Judiciária Civil (PJC), por meio da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, nesta quinta-feira (30.05), no município de Cáceres (225 km a Oeste), em ação para cumprimento de mandado judicial.

O homem teve a ordem judicial de prisão preventiva decretada pelos crimes de estupro de vulnerável e ameaça. A vítima é enteada do suspeito e vinha sofrendo os abusos sexuais desde os 10 anos. A menina possui uma deficiência cognitiva e hoje está com 17 anos.

As investigações iniciaram no mês de abril, após a vítima procurar a PJC para denunciar os fatos. A menor revelou que vinha sendo abusada pelo padastro há alguns anos, com quem teria perdido a virgindade.

A adolescente informou que chegou a contar para sua mãe e tia sobre os abusos. Na ocasião, ambas foram tirar satisfação do suspeito, que negou as acusações, bem como ameaçou que mataria a vítima e toda família.

Conforme apurado pela PJC, a mãe da menor encontra-se hospitalizada em Cuiabá tratando de um câncer. A vítima tem outra duas irmãs, sendo a mas velha hoje com 21 anos e a outra de 14 anos, que também supostamente seriam vítimas de estupro praticado pelo padrasto.

Diante das investigações realizadas no inquérito policial, a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cáceres, representou pelo pedido de prisão preventiva do acusado, deferido pela Justiça.

Com o mandado de prisão expedido, os policiais civis efetuaram a prisão do acusado, que ficará detido à disposição da Justiça.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAgnaldo Timóteo sai do coma induzido e respira sem aparelhos
Próximo artigoSer mulher no Brasil: a tirania de ser sexualmente desejável