|terça, 21 agosto 2018

    “Os abalos não sísmicos do Rio de Janeiro”

    13
    COMPARTILHECOMPARTILHE

    Arquivo pessoal

    João, amigo do Aroldo

    João, meu amigo: tranquilidade em plena Rocinha

    O carnaval se foi, e os dias no Brasil têm sido movidos pelo medo pela febre amarela e da violência no Rio de Janeiro, dois problemas que tem espantado muitos turistas que ainda tinham o projeto de visitar o Brasil. O Brasil é grande – e a vacina é um dever de todos que gostam de se aventurar em zonas de risco.

    Eu sempre uso o espaço do LIVRE para tratar de temas sísmicos, históricos e culturais, mas a interação com os seguidores me leva a responder inquietações de todos os tipos, quando se trata de Brasil. Amigos ou seguidores, como queiram, lotaram minha caixa de mensagens com perguntas sobre o que estamos fazendo para controlar a febre amarela e a violência no Rio de Janeiro.

    A resposta poderia ser “estamos bem, Obrigado!”, mas a situação aqui ainda exige muita cautela. Fala-se em intervenção federal para a bela cidade do Rio de Janeiro, cartão postal do meu país, que recebe visitas de todo mundo por suas paisagens paradisíacas.

    No estado do Rio de Janeiro existem vários locais onde a violência é menos intensa do que na capital, mas todo cuidado é pouco. Minha mãe vive na bela cidade de Angra dos Reis e sempre que eu a visito me sinto seguro. Assim como para os terremotos, tanto o problema da febre amarela, quanto o da violência, carecem de um protocolo de segurança, isso é o mínimo que deveríamos fazer.

    Nesta semana falei com um amigo, o João, que visitou a Favela da Rocinha, local considerado perigoso por muitos e a resposta dele foi a seguinte: “Bem, como eu sou de uma cidade calma, achei a comunidade super agitada, mas não senti medo. As pessoas da Rocinha respeitam os turistas e quero poder voltar novamente. Tudo muito bom, o transporte, a comida. Assisti a um tiroteio sim, mas foi no alto do morro e achei aquilo surreal”.

    Já minha mãe disse que o Rio de Janeiro é como um grande tabuleiro de xadrez, com variáveis bastantes diferentes. Cada vez que o Estado mexe uma peça ou toma uma medida, o tráfico responde. Lamentavelmente, quem sofre são as pessoas que têm suas casas no campo de guerra. Em relação à febre amarela, a solução é mais simples, pois essa doença não é social, já que existe vacina.

    ………………………………………….

    Los sacudones no sísmicos de Río de Janeiro

    El carnaval se fue, y los días en Brasil han sido movidos por el miedo por la fiebre amarilla y la violencia en Río de Janeiro, dos problemas que han espantado a muchos turistas que aún tenían el proyecto de visitar Brasil. Brasil es grande – y la vacuna es un deber de todos los que les gusta aventurarse en zonas de riesgo.

    Yo siempre uso el espacio del LIVRE para tratar temas sísmicos, históricos y culturales, pero la interacción con los seguidores me lleva a responder inquietudes de todo tipo, cuando se trata de Brasil. Amigos o seguidores, como quieran, llenaron mi caja de mensajes con preguntas sobre lo que estamos haciendo para controlar la fiebre amarilla y la violencia en Río de Janeiro.

    La respuesta podría ser “estamos bien, Gracias!”, Pero la situación aquí todavía exige mucha cautela. Se habla en intervención federal para la bella ciudad de Río de Janeiro, postal de mi país, que recibe visitas de todo el mundo por sus paisajes paradisíacos.

    En el estado de Río de Janeiro existen varios lugares donde la violencia es menos intensa que en la capital, pero todo cuidado es poco. Mi madre vive en la bella ciudad de Angra dos Reis y siempre que la visito me siento seguro. Así como para los terremotos, tanto el problema de la fiebre amarilla, como el de la violencia, carecen de un protocolo de seguridad, eso es lo mínimo que deberíamos hacer.

    En esta semana hablé con un amigo, Juan, que visitó la Favela da Rocinha, lugar considerado peligroso por muchos y su respuesta fue: “Bueno, como yo soy de una ciudad tranquila, encontré a la comunidad súper agitada, pero no sentía el miedo. Las personas de Rocinha respetan a los turistas y quiero poder volver de nuevo. Todo muy bueno, el transporte, la comida. “Me asistió a un tiroteo sí, pero fue en lo alto del cerro y encontré aquello surrealista”.

    Ya mi madre dijo que Río de Janeiro es como un gran tablero de ajedrez, con variables bastante diferentes. Cada vez que el Estado mueve una pieza o toma una medida, el tráfico responde. Lamentablemente, quienes sufren son las personas que tienen sus casas en el campo de guerra. En cuanto a la fiebre amarilla, la solución es más simple, pues esta enfermedad no es social, ya que existe vacuna.

    Assinatura Coluna Aroldo

    Deixe um comentário

    Please enter your name here
    Please enter your comment!

    DESTAQUES

    Bairro Cuiabá História Municípios Policia
    Polícia Civil prende filho acusado de matar pai por esganadura em Confresa
    Ex-prefeito, pai de brasileira morta chega ao Paraguai e nega prisão de suspeito
    Marido mata homem porque ele olhou sua mulher dançar em festa de aniversário
    Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
    Arquiteta teria fugido por acreditar que acidente se tratava de assalto, dizem testemunhas
    Ritmo de campanha: Taques cola em Dante, Mauro em Blairo e Wellington no verde; ouça jingles
    Janaina Riva aposta em segundo turno entre Wellington e Mendes
    Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
    Cinco unidades do Indea são revitalizadas com recursos de Fundos
    Soja tem cenário promissor e área plantada deve crescer
    Setor de couro quer melhorar qualidade e aumentar exportações
    Artes Cênicas Artes Plásticas Artesanato Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia LIteratura Música
    Sesc Arsenal oferta minicurso sobre adaptação literária em multimídia neste sábado
    Evento circense reúne artistas da América Latina em Cuiabá com apresentações ao público
    Fotógrafos profissionais e amadores terão consultorias gratuitas nesta semana
    Corrupção Economia Eleições Estados Política
    Comitê para Migrações repudia agressões a venezuelanos
    Pesquisa da CNI mostra melhora na confiança dos empresários
    Temer e ministros discutem situação de venezuelanos em Roraima
    Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
    Começam inscrições para concurso docente da UFMT
    Por R$ 23 mil, Tribunal de Justiça de Mato Grosso lança concurso para magistratura
    Sejudh abre concurso para agentes penitenciários com salários de até R$ 3 mil
    X