Os 300 do raio-que-os-parta

Hoje, 2020, dois mil e quinhentos anos depois da Guerra de Esparta, temos na rampa do Planalto o nosso estreito de Termópilas

(Foto: Divulgação)

Você deve ter assistido o filme ou conhece alguns fatos a respeito de Esparta, a lendária e histórica cidade da Grécia.

De qualquer modo, me atrevo a resumir um pouco desta incrível história.

Em 480 a.C. o rei espartano Leônidas recebeu um ultimatum do rei persa Xerxes:

– “Eu quero sua água e sua terra”, simbolizando sua submissão.

Como bom espartano, ele matou o emissário do rei persa e se preparou para o inevitável.

Os persas somavam algo perto de 300 mil guerreiros contra os parcos sete mil soldados de Esparta.

Opa, peraí! E os famosos 300 de Esparta?!?

Calma, chegarei a eles.

Estrategista, o rei Leônidas dividiu suas forças e foi com 300 espartanos (pronto, estão aqui!) para o passo das Termópilas. Um lugar estreito, de fácil defesa e quase impossível ataque.

A bem da verdade, marcharam junto com ele mais uns 1.500 homens, entre tebanos, téspios e outros soldados.

O emissário do rei Xerxes havia prevenido Leônidas da força do exército de seu senhor, que quando marchavam “faziam os chãos tremerem” – e que “a chuva de flechas lançadas pelos seus arqueiros fazia com que os céus escurecessem”.

Ao que Leônidas retrucou com a célebre frase: “Melhor, combateremos à sombra!”.

Bom, veio a guerra, a traição de um tal de Efialtes, muitas mortes, sangue derramado e… Xerxes ganhou a disputa. Fim.

O nosso estreito de Termópilas

Hoje, 2020, dois mil e quinhentos anos depois, temos na rampa do Planalto o nosso estreito de Termópilas.

Um rubro exército de mercenários elegantes liderados por falsos reis desejam a todo custo subir os 36 metros desta rampa para alcançar o cobiçado trono que comanda a vida e a morte de mais de 210 milhões de almas.

Eu vejo uma minoria histriônica querer comandar um gigante com milhões de corações. São grupos escolhidos a dedo por uma elite podre (que se acredita dona do poder) e são agraciados com milhares de reais para levantar suas bandeiras de fobias e “ismos” de toda espécie.

Eu vejo a mídia mainstream vomitar suas verdades mentirosas a um povo pouco instruído e carente de desejos.

Desejos estes de paz, de ordem e progresso, de harmonia, de família reunida em torno de uma mesa repartindo uma comida, não necessariamente glamourosa, mas honesta e farta.

Eu vejo politiqueiros eleitos sabe-se lá de que maneira, e togados impostos à socapa subvertendo as Leis, a Ordem e a vontade popular a seu bel prazer. Transformando o Bem-Comum no Bem-Que-Quero-Mais.

Eu vejo o abandono de valores morais, o repúdio à vida, o desprezo à família, o descaso com a Educação, com a Cultura, com o sentimento de amor à Pátria.

Eu vejo uma maioria silente.

Uma maioria que deseja o Bem, mas ainda tem medo de encarar os gritos minoristas, as caras-feias, as ameaças rasas. Essas mesmas minorias que durante mais de três décadas construíram seus bunkers, camuflaram seus objetivos e se enraizaram no Poder.

Eu quero ver uma maioria que lute em Paz pelos seus direitos, que honre seus Deveres. E como no hino esquecido “não fuja à luta”. Seja ela qual for.

Eu quero uma maioria lutando pelo direito de seus filhos e netos. Sem preconceitos, sem bandeirolas imbecis, sem “ismos” idiotas, sem o crivo do politicamente correto.

Eu quero uma maioria que possa rir de piadas. Ser alvo de chacotas. E rir de si mesmo.

Meu pai, homônimo do rei espartano, se vivo fosse, gritaria a plenos pulmões:

Esta terra é minha! É verde! É Brasil! É nosso! É do povo! Vão ao raio-que-os-parta”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComparação nas redes sociais
Próximo artigoPF nega operação nesta quinta

O LIVRE ADS