Você tiraria mais de R$ 1 milhão do bolso para doar para políticos? Veja quem fez isso em MT

Parentes de candidatos dominam ranking das maiores doações nas eleições deste ano

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Quatro pessoas tiraram mais de R$ 1 milhão do próprio bolso para investir em campanhas eleitorais de amigos, parentes e aliados em Mato Grosso. Outras 10 pessoas no Estado superaram o valor de R$ 350 mil em doações.

Com o fim da doação de empresas, investimentos milionários passaram a ser feito por pessoas físicas, que podem doar até 10% do rendimento bruto do ano anterior. Há, ainda, o financiamento de campanha feito com dinheiro público, por meio do fundo eleitoral.

Levantamento feito pela reportagem do LIVRE no sistema DivulgaCandContas mostra as 14 pessoas que mais investiram na campanha eleitoral em Mato Grosso neste ano. Alguns dos listados fizeram doações também para candidatos de outros Estados, mas os valores abaixo incluem apenas o investimento feito nos candidatos por Mato Grosso. A lista não inclui doações feitas por candidatos às suas próprias campanhas.

Confira o ranking:

1º – Eduardo Linde Sachetti – R$ 1.866.660,00

O filho do candidato derrotado ao Senado Adilton Sachetti (PRB) foi o campeão de doações no Estado neste ano. No ranking nacional, ele está em 9º lugar.

Do valor doado por Eduardo, R$ 1,8 milhão foram para a direção estadual do PRB, sigla presidida por Adilton. O restante foi dividido entre três candidatos a deputado estadual: Leandro Félix (DC) recebeu R$ 30 mil, para Maria Izaura (PPS) foram R$ 20 mil e Elza Moura (PP) recebeu R$ 16,6 mil. Nenhum deles se elegeu.

2ª – Natasha Preza Sachetti – R$ 1.485.666,00

Sobrinha de Adilton Sachetti (PRB), Natasha caiu para a vice-liderança do ranking de doadores no Estado. Diversos candidatos que haviam declarado doações da empresária na primeira parcial da prestação de contas retificaram suas declarações e agora ela figura somente na lista de doadores de dois partidos e dois candidatos.

Foram R$ 1,2 milhão para o PRB de Mato Grosso e R$ 200 mil para o PV. Outros R$ 50 mil foram investidos na campanha do tio, Adilton Sachetti, e R$ 35,6 mil foram doados para o candidato a deputado federal José Bispo (PR). Nenhum foi eleito.

3ª – Adriana Krasnievicz Possamai – R$ 1.090.886,93

Casada com o primeiro suplente da chapa, Gilberto Possamai (PSL), Adriana investiu mais de R$ 1 milhão na campanha dele e da titular Selma Arruda (PSL). Selma foi eleita senadora como a mais votada do Estado.

4º – Inácio José Webler – R$ 1.013.502,33

Produtor de algodão, Inácio Webler foi outro que investiu pesado no PRB e doou R$ 1 milhão à sigla. Ele apoiou ainda o candidato a deputado federal Juliano Rabelo (PMN) com R$ 7,3 mil e o candidato a deputado estadual Sidney de Souza (PV) com R$ 6,1 mil. Nenhum deles se elegeu.

5º – Elizeu Zulmar Maggi Scheffer – R$ 770.000,00

Primo do ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), e irmão de Eraí Maggi (PP), Elizeu investiu principalmente na campanha vitoriosa de Mauro Mendes (DEM) ao governo estadual, com uma doação de R$ 300 mil. Outros dois eleitos que receberam doações dele foram os futuros deputados federais José Medeiros (Pode), com R$ 150 mil, e Neri Geller (PP), com R$ 100 mil.

O produtor rural doou também para a campanha de dois candidatos a deputado estadual: foram R$ 200 mil para Carlos Avalone (PSDB) e R$ 20 mil para Icaro Francio Severo (PSDB). Nenhum se elegeu.

6º – Odilio Balbinotti Filho – R$ 715.000,00

O empresário do agronegócio investiu na campanha de três candidatos derrotados ao Senado: foram R$ 250 mil para Nilson Leitão (PSDB), R$ 150 mil para Adilton Sachetti (PRB) e R$ 115 mil para Carlos Fávaro (PSD).

Balbinotti aplicou também R$ 115 mil na campanha vencedora de José Medeiros (Pode) para a Câmara Federal. E outros R$ 100 mil no PRB de Mato Grosso.

7º – Armando Martins de Oliveira – R$ 700.000,00

Irmão do ex-governador Dante de Oliveira, o empresário investiu em tucanos e alguns aliados. Nenhum deles se elegeu. O principal beneficiário foi o sobrinho Leonardo de Oliveira (PPS), que concorreu a deputado estadual, e recebeu R$ 300 mil.

Armando doou R$ 100 mil para a campanha de Nilson Leitão (PSDB) ao Senado. Três candidatos a deputado federal da coligação também receberam doações dele: foram R$ 100 mil a de Victorio Galli (PSL), enquanto Ícaro Reveles e Josair Lopes, ambos do PSB, receberam doações de R$ 50 mil cada.

Ele investiu em três candidatos a deputado estadual. Foram R$ 40 mil para Lilo Pinheiro (PRP), R$ 30 mil para Toninho de Souza (PSD) e R$ 30 mil para Carlos Avalone (PSDB).

8º – Cleto Webler – R$ 694.000,00

O empresário do agronegócio doou para dois candidatos a deputado federal que não conseguiram se eleger, com R$ 200 mil para a campanha de Nicinha (PSDB) e R$ 100 mil para Victorio Galli (PSL).  Ele também apostou nos candidatos tucanos ao Senado e ao governo, Nilson Leitão e Pedro Taques, com R$ 50 mil para cada um. Os dois saíram derrotados da eleição.

Cleto Webler doou para cinco concorrentes à Assembleia Legislativa, dos quais três se elegeram: Xuxu Dal Molin (PSC) e Dilmar Dal Bosco (DEM) receberam R$ 25 mil cada, enquanto Ulysses Moraes (DC) recebeu R$ 10 mil. Dos candidatos a deputado estadual que não se elegeram, Layr Mota (PSD) recebeu R$ 25 mil e Jajah Neves (SD), que foi barrado pela Lei da Ficha Limpa, recebeu R$ 10 mil.

Ele investiu também em dois partidos: foram R$ 149 mil para o PSD e R$ 50 mil para o PRB.

9ª – Marilia Freire de Campos Fontes – R$ 468.000,00

A tabeliã investiu R$ 468 mil na campanha do filho, o ex-prefeito de Cáceres Tulio Fontes (PV), a deputado estadual. Ele não conseguiu se eleger.

10º – Guilherme Augusto Leal Basaglia – R$ 450.000,00

O pecuarista doou para dois candidatos a deputado que não conseguiram se eleger: foram R$ 100 mil para Carlos Avalone (PSDB) concorrer a deputado estadual e R$ 50 mil para Victorio Galli (PSL) na disputa pela Câmara Federal. Ele investiu também em três partidos, PSD, PSDB e DEM, doando R$ 100 mil para cada um.

11º – Carlos Webler – R$ 420.000,00

O produtor rural doou R$ 200 mil para a direção estadual do PRB e mais R$ 100 mil para o PSD. Outros R$ 50 mil foram destinados à campanha vencedora de Mauro Mendes (DEM) para o governo e R$ 20 mil para o deputado estadual reeleito Max Russi (PSB). Derrotado na disputa pelo Senado, Carlos Fávaro (PSD) recebeu R$ 50 mil.

12º – Alessandro Nicoli – R$ 351.116,37

Marido da candidata a suplente Alessandra Nicoli (PRB), o empresário do agronegócio doou R$ 226.116,37 para a campanha derrotada de Adilton Sachetti (PRB) ao Senado. Ele investiu também R$ 125 mil na direção estadual do PRB.

13º – Canisio Froelich – R$ 350.000,00

O produtor rural doou R$ 150 mil ao DEM e outros R$ 50 mil ao PRB. Derrotado na corrida ao Senado, Adilton Sachetti (PRB) recebeu R$ 50 mil. Canisio Froelich doou outros R$ 50 mil ao deputado federal eleito Neri Geller (PSD) e R$ 25 mil ao deputado estadual reeleito Ondanir Bortolini “Nininho” (PSD). Também candidato a deputado estadual, Carlos Avalone (PSDB) recebeu R$ 25 mil, e não conseguiu se eleger.

Carlos Ernesto Augustin – R$ 350.000,00

O empresário do agronegócio investiu R$ 150 mil na direção do PSDB em Mato Grosso. Ele doou outros R$ 100 mil para a campanha do governador Pedro Taques (PSDB) à reeleição. Outros R$ 50 mil foram destinados à campanha do deputado federal Victorio Galli (PSL). Dois candidatos a deputado estadual do grupo também receberam doações: Carlos Avalone (PSDB) e Luciano Vacari (PPS), com R$ 25 mil cada. Todos foram derrotados nas urnas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVítima de leucemia, criança faz festa e comemora que fará transplante de medula
Próximo artigoDestaque da gastronomia de MT, Irapuan Carvalho se consolida no ramo com afinco

O LIVRE ADS