Órgãos públicos alteram rotina de trabalho para evitar contaminação

Instituições ligadas ao Judiciário foram as primeiras. Governo do Estado e Prefeitura de Cuiabá anunciam medidas nesta segunda-feira

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Órgãos públicos em Mato Grosso começaram a adotar medidas para evitar aglomerações de pessoas por causa da disseminação do novo coronavírus. A Defensoria Pública e a Associação dos Magistrados de Mato Grosso (AMAM) publicaram nesta segunda-feira (16) decreto ou sugestão de alteração de atividades.

No Ministério Público Estadual (MP), pessoas que compõem o grupo de risco – que tenham mais de 60 anos, gestantes e lactantes, imunodeprimidos ou portadores de doenças crônicas – foram autorizados a trabalhar de casa.

Na Defensoria, o defensor-geral Clodoaldo Aparecido Gonçalves de Queiroz também estabeleceu o home office aos servidores com idade superior a 60 anos, portadores de doenças cardíaca ou pulmonar, em tratamento com medicamento imunodepressores, transplantados e gestantes.

Essas pessoas deverão exercer a função remotamente pelo período de 16 dias.

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

No caso do MP, o período é um pouco menor: 14 dias. Mas ele se estende a pessoas que tenham voltado de viagem internacional recentemente.

O decreto da Defensoria, por sua vez, também estabelece que, caso necessário, audiências e demais atos judiciais serão adiados. E aqueles que não sofrerem alteração e “que dependam da presença do defensor público deverão ser atendidos, mesmo nos casos de atuação em home office”.

Mudanças nos fóruns

Já a AMAM enviou um documento de recomendação ao presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha.

O presidente da entidade, Tiago Souza Nogueira de Abreu, alega a necessidade de suspensão de serviços nos fóruns do Estado por serem “ambientes frequentados por centenas ou milhares de pessoas diariamente”.

Segundo ele, a permanência de atendimento nos fóruns, que são “ambientes fechados”, é uma situação “extremamente propícia ao contágio”.

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A associação sugere também o trabalho de casa pelos próximos 60 dias, com a possibilidade de reconsideração do tempo após 30 dias, a depender do quadro da doença em Mato Grosso.

“Quanto às audiências, sua suspensão é medida impositiva. Busca-se não apenas preservar a saúde de magistrados, servidores e estagiários, mas principalmente evitar que os fóruns virem pontos de difusão do vírus”, diz trecho do documento.

Videoconferência

No caso das audiências de custódia – aquelas realizada após a prisão de um suspeito de crime – a AMAM sugere que sejam realizadas via videoconferência.

“Aqui a situação é ainda mais sensível: o deslocamento desnecessário de detentos, levando-os ao ambiente forense, rapidamente fará com que eles levem para o interior das cadeias e presídios o vírus”.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Leônidas” lembra frase clássica de 300 ao carregar tocha olímpica em Esparta
Próximo artigoCoronavírus em Cuiabá: hospital isolou paciente e diz que não há motivo para pânico

O LIVRE ADS